A data usa como referência o Testamento de D. Afonso II, o mais antigo documento régio escrito em língua portuguesa e o mais antigo documento oficial ao nível superior de um Estado. O deputado José Ribeiro e Castro e o editor João Pinto de Sousa fazem parte do movimento.

Entre os primeiros subscritores convidados incluem-se o Presidente da República de Cabo Verde, o Secretário Executivo da CPLP, os presidentes da RTP e os da agência Lusa. Escritores, professores, músicos, cineastas e artistas não ficaram indiferentes à causa e juntaram os respetivos nomes à lista de assinaturas. A apresentação oficial do manifesto e dos subscritores será feita no dia 27 de junho, dia em que se celebram os oito séculos da nossa língua, num evento organizado no Padrão dos Descobrimentos. Ler o artigo completo.

 

A língua que falamos não é apenas comunicação ou forma de fazer um negócio. Também é. Mas é muito mais. É uma forma de sentir e de lembrar; um registo, arca de muitas memórias; um modo de pensar, uma maneira de ser –  e de dizer. É espaço de cultura, mar de muitas culturas, um traço de união, uma ligação. É passado e é futuro; é história. É poesia e discurso, sussurro e murmúrios, segredos, gritaria, declamação, conversa, bate-papo, discussão e debate, palestra, comércio, conto e romance, imagem, filosofia, ensaio, ciência, oração, música e canção, até silêncio. É um abraço. É raiz e é caminho. É horizonte, passado e destino.

 

Na era da globalização, falar português, uma das grandes línguas globais do planeta, que partilha e põe em comum culturas da Europa, das Américas, de África e da Ásia e Oceânia, com centenas de milhões de falantes em todos os continentes, é um imenso património e um poderoso veículo de união e progresso.

 

Em 27 de Junho de 2014, passam oitocentos anos sobre o mais antigo documento oficial conhecido em língua portuguesa, a nível de Estado – o mais antigo documento régio na nossa língua, o testamento do terceiro rei de Portugal, Dom Afonso II.

 

Neste dia, queremos festejar esses oito séculos da nossa língua, a língua do mar, a língua da gente, uma grande língua da globalização. Fazêmo-lo centrados nesse dia e ao longo de um ano, para festejar com o mundo inteiro esta nossa língua: a terceira língua do Ocidente, uma língua em crescimento em todos os continentes, uma das mais faladas do mundo, a língua mais usada no Hemisfério Sul. Celebramos o futuro.

 

Em qualquer lugar onde se fala Português, 27 de Junho de 2014

Observatório da Língua Portuguesa
AUTOR: Observatório da Língua Portuguesa

Partilhar