7 March 2021
O Curso de Literaturas em Língua Portuguesa começou hoje em Maputo com 118 alunos, segundo a organização, no dia em que foi anunciada a morte de um dos seus criadores, Soares Martins, adido cultural português em Moçambique durante 18 anos.

Mais de cem alunos no curso de literaturas em português em Maputo

Promovido pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua de Portugal e pela Universidade Eduardo Mondlane, o curso, que se prolonga até sexta-feira dedicado ao tema “A Viagem”, realiza-se ininterruptamente há 26 anos.

“Isto significa que é a atividade mais antiga levada a cabo pelo Centro Cultural Português em Maputo”, assinalou na abertura do evento o embaixador de Portugal na capital moçambicana.

“A aposta que podemos fazer no contacto e na valorização da criação artística e cultural em Moçambique é o melhor contributo que podemos dar para o prestígio e reputação internacional deste país”, frisou José Augusto Duarte.

O diretor da Faculdade de Letras da Universidade Eduardo Mondlane, Gregório Firmino, manifestou por seu lado satisfação por mais uma edição do Curso de Literaturas em Língua Portuguesa, “que já faz parte por mérito próprio do roteiro académico e cultural de Maputo e por extensão de Moçambique”.

Gregório Firmino e José Augusto Duarte lembraram o papel de José Soares Martins, falecido no domingo no Porto aos 82 anos, na construção desta iniciativa, na qualidade de adido cultural na embaixada de Portugal em Maputo entre 1978 e 1996.

“Foi uma pessoa que deu um enorme contributo para a aproximação entre os criadores culturais portugueses e moçambicanos e ao qual estamos muitíssimo gratos”, declarou o diplomata.

Nascido em 1932 em Arrifana, Vila da Feira, Soares Martins, para muitos conhecidos como José Capela, integrou a direção do Diário de Moçambique, na Beira, nos anos 50, e fundou na década seguinte o semanário Voz Africana e a revista Economia de Moçambique.

Além de adido cultural de Portugal em Maputo, manteve “uma intensa atividade enquanto investigador na área da História que é ainda hoje referência para estudantes e estudiosos” e que se prolongou posteriormente no Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, segundo um comunicado divulgado hoje pela embaixada na capital moçambicana,

O Curso de Literaturas em Língua Portuguesa propõe este ano “A Viagem” através das obras “A Odisseia”, de Homero, “As Viagens”, de Marco Polo, “Os Lusíadas”, de Camões, “A Peregrinação”, de Fernão Mendes Pinto, e “As Viagens de Gulliver”, de Jonathan Swift, como “exemplos de obras literárias célebres, recheadas de curiosidade e de espanto, drama e paixão, guerras e conquistas e incríveis proezas”.

Paralelamente ao curso, será realizada uma oficina de ilustração orientada pelo escritor e ilustrador português Afonso Cruz e pelo jornalista moçambicano Júlio Manjate, na Escola de Comunicação e Arte da Universidade Eduardo Mondlane.

Nesta oficina serão trabalhados contos da obra ´Nós Matámos o Cão Tinhoso`, de Luís Bernardo Honwana, que este ano comemora os 50 anos da sua primeira edição.

A 26.ª edição do Curso de Literaturas em Línguas Portuguesa tem ainda como convidados Almiro Lobo, Lucílio Manjate e Suleiman Cassamo.

 

HB (PMA) // JMR – Lusa/Fim


Fotos:

– Gregório Firmino, diretor da Faculdade de Letras da Universidade Eduardo Mondlane- (extraída do Facebook).

– Joao Paulo e Paulo Ximenez , estudantes na Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo. 10/04/2007. PEDRO SA DA BANDEIRA/LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários