25 February 2021

Maioria dos países lusófonos menos frágil em 2015

Díli, 13 mai (Lusa) – A maioria dos países lusófonos está hoje menos frágil do que há um ano, sendo a pobreza e declínio económico e o desenvolvimento desequilibrado os fatores que, na maioria dos casos, mais condicionam a avaliação, segundo uma análise internacional.

Os dados fazem parte do Índice dos Estados Frágeis (IEF) de 2015, indicador elaborado pela organização não-governamental (ONG) Fundo para a Paz, que analisa a situação de 178 países com base em 12 indicadores sociais, económicos e políticos.

Estes indicadores incluem pressão demográfica, pobreza e declínio económico, desenvolvimento desequilibrado, legitimidade do Estado, segurança, direitos humanos, estado de direito, elites fracionadas e intervenção externa, entre outros.

Guiné-Bissau, Timor-Leste, Guiné Equatorial, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Portugal melhoraram todos no ‘ranking’ ’em 2015, face ao ano anterior, tendo Angola, Moçambique e Brasil piorado.

O estudo divide os países em 11 níveis de fragilidade que vão desde “alerta muito elevado” – onde estão atualmente quatro países, todos africanos (Sudão do Sul, Somália, Republica Centro-Africana e Sudão) – até ao “muito sustentável”, onde está apenas a Finlândia.

Os níveis são “alerta muito elevado”, “alerta elevado”, “alerta” (Guiné-Bissau e Timor-Leste), “advertência elevada” (Angola, Moçambique e Guiné Equatorial), “advertência” (Cabo Verde, São Tomé e Príncipe) “advertência baixa” (Brasil), “menos estável”, “estável”, “mais estável”, “sustentável” (Portugal) e “muito sustentável”.

Nesta classificação, a Guiné-Bissau é o pior dos países lusófonos, tendo caído um lugar, de 16 para 17. Segue-se Timor-Leste (que melhorou da 31.ª para a 34.ª posição).

Angola piorou dois lugares (de 43 para 41), Moçambique piorou cinco (de 50 para 45) e a Guiné Equatorial melhorou dois (de 52 para 54).

Cabo Verde melhorou dois lugares, de 93 para 95, e São Tomé e Príncipe passou do 87 para o 93, sendo esta a maior melhoria.

O Brasil piorou dois postos, passando de 125.º para 123.º.

Portugal está entre o grupo de 14 países do nível “sustentável”, tendo melhorado dois postos, de 162 para 164.

A Guiné-Bissau tem as suas piores notas em legitimidade do Estado e serviços públicos enquanto Timor-Leste e o Brasil têm as suas piores avaliações na pressão demográfica e na pobreza e declínio económico.

No caso de Angola, a pior nota é em desenvolvimento desigual, em Moçambique é no desenvolvimento desigual e no serviço público e na Guiné Equatorial é na legitimidade do Estado e direitos humanos.

Para São Tomé e Príncipe, o fator de maior fragilidade é a pobreza e declínio económico, no caso de Cabo Verde é a fuga de populações e no Brasil é a pressão demográfica e desenvolvimento desigual.

Para Portugal, a pior nota é na pobreza e declínio económico (5, 2 valores, quase o dobro dos restantes indicadores).

ASP // MP – Lusa/Fim

Também poderá gostar

Sem comentários

ARTIGOS POPULARES