Macau, China, 18 nov 2022 (Lusa) – O relacionamento cultural entre a China e os países de língua portuguesa tem estabelecido Macau como “plataforma de grande relevo” para o intercâmbio cultural entre estas nações, afirmou hoje o secretário-geral do Fórum Macau.

“Durante muito tempo, a aprendizagem mútua e a fusão entre a cultura tradicional chinesa e as culturas singulares dos países de língua portuguesa têm colocado Macau numa posição privilegiada de plataforma de grande relevo para o intercâmbio cultural” entre a China e o bloco lusófono, disse Ji Xianzheng, na abertura da 14.ª Semana Cultural na região administrativa especial chinesa.

Desde a criação do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau), em 2003, “o secretariado permanente tem-se empenhado na promoção da cooperação e intercâmbio no domínio cultural” entre a China e os países lusófonos, “procurando apoiar no esforço constante a construção da plataforma de intercâmbio comercial e cultural” no território.

Esta edição continua a realizar-se em formato híbrido ‘online’ e ‘offline’, com várias atividades para apresentar as culturas tradicionais dos países participantes do Fórum Macau: China, representada pela província de Zhejiang (leste), Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

As “Festas e Festividades tradicionais”, tema das atividades ‘online’, apresentam, entre outras, ópera tradicional chinesa, a festa da puberdade do sul de Angola e o famoso baile das máscaras, as Tunas portuguesas e a demonstração das técnicas de produção artesanal de sal de Timor-Leste.

Na vertente presencial, vão decorrer, até domingo, em Macau, demonstrações de artesãos chineses e espetáculos de música e dança realizados pelas associações dos países lusófonos no território, ‘workshops’ e jogos tradicionais.

Até 11 de dezembro, estará patente a exposição “Policromias lusófonas” com as obras de nove artistas: Don Sebas Cassule (Angola), Luciano Dremher (Brasil), Leomar (Cabo Verde), Lemos Djata (Guiné-Bissau), Walter Zandamela (Moçambique), Maria Leal da Costa (Portugal), Olavo Amado (São Tomé e Príncipe), Jafet Potenzo Lopes (Timor-Leste) e Lio Man Cheong (Macau).

EJ // LFS – Lusa/Fim

Partilhar