27 February 2021
Vítor Serpa, diretor de A BOLA, foi um dos oradores do dia, e contou a história do nosso jornal no contexto da lusofonia durante a sessão dedicada à difusão da Língua Portuguesa.

Lusofonia debatida no Algarve

O Grande Auditório da Universidade do Algarve, no Campus de Gambelas, em Faro, recebeu no sábado a conferência ‘Língua Portuguesa, Sociedade Civil e CPLP’, promovida pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), através da sua Comissão Temática de Promoção e Difusão da Língua Portuguesa.
Debater a importância da Língua portuguesa na contemporaneidade foi o mote desta iniciativa, que contou com a participação de personalidades oriundas de diferentes países lusófonos, entre académicos, investigadores e representantes institucionais.
«Os êxitos dos clubes portugueses no estrangeiro, em particular Sporting, FC Porto e Benfica, não esquecendo o desempenho da Seleção Nacional no Mundial de 1966 e ainda o ciclista Joaquim Agostinho, que honrou Portugal ao mais alto nível, contribuíram e ajudaram ao crescimento do jornal A BOLA», recordou.
Na ordem do dia estiveram também questões de cariz económico, com vários intervenientes a sugerirem que sejam criadas melhores condições de negócio entre os países que compõem a CPLP.
«Os estados têm de acordar num leque de medidas que permita que os empresários possam desenvolver os seus negócios nesse grande espaço que é o nosso», afirmou Murade Murargy, secretário executivo da CPLP, à margem da conferência, na qual também estiveram presentes os ministros dos Negócios Estrangeiros de Moçambique, Oldemiro Baloi, e do Ensino Superior de Cabo Verde, António Correia e Silva.

Erasmus lusófono
Uma conferência sobre a importância da Língua Portuguesa no contexto da CPLP não poderia deixar de lado os esforços que as universidades têm feito para ligar os diferentes países lusófonos. João Pinto Guerreiro, reitor da Universidade do Algarve, esteve presente na sessão de abertura como anfitrião e falou da criação de um programa de modalidade à semelhança do Erasmus, que é válido para países europeus.
«Nos últimos anos temos feito um esforço substancial no sentido da aproximação destas universidades através de pós-graduações conjuntas e do fomento da mobilidade de docentes, investigadores e estudantes. Temos estado na primeira linha no apoio à criação de instrumentos que permitam essa circulação. O secretário executivo da CPLP lançou-nos um desafio, que é propormos à própria CPLP um instrumento semelhante ao Erasmus, que facilite a circulação de estudantes entre os diferentes países da CPLP», afirmou o reitor da Universidade do Algarve. Ler o artigo completo.

Fotos: CPLP

Também poderá gostar

Sem comentários