O seminário, que teve lugar na universidade King’s College London (KCL), centrou-se na história da canção portuguesa e nas suas raízes afro-brasileiras e não se destinou apenas a uma audiência de académicos.

“As universidades são também um espaço privilegiado para o público que espera informações mais completas e novas perspectivas sobre as artes e culturas. Nesse sentido, convidámos o musicólogo Rui Vieira Nery para uma conversa com o público. Desperta-se assim o desejo não de ouvir fado, mas de o compreender como movimento cultural simultaneamente antigo e moderno”, afirmou à agência Lusa o diretor do Centro Camões de Língua e Cultura Portuguesa no KCL.

O autor das obras ‘Para uma história do fado’ (que também está editado em inglês, francês e polaco), “Fados para a República” e “Fado – Um Património Vivo” liderou recentemente liderou o comité científico da candidatura do Fado a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO.

Rui Vieira Nery é diretor do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas, já exerceu funções de secretário de Estado da Cultura, entre 1995-1997, e acumula funções como professor associado do departamento de Ciências Musicais da Universidade Nova de Lisboa e investigador do Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos de Música e Dança e do Centro de Estudos de Teatro da mesma universidade. Ler o artigo completo.

Exposição de guitarras de Coimbra no Edifício Chiado, em Coimbra, 8 de maio de 2011. PAULO NOVAIS/LUSA

Exposição de guitarras de Coimbra no Edifício Chiado, em Coimbra, 8 de maio de 2011. PAULO NOVAIS/LUSA

Partilhar