Proposta exclui Camões, Eça, Pessoa e outros clássicos. Sob críticas, governo de Dilma Rousseff admite rever a base curricular

O Ministério da Educação do Brasil (MEC) eliminou a obrigatoriedade do estudo da literatura portuguesa na nova Base Nacional Curricular Comum (BNCC) que está até março em discussão e deve ser posta em prática em junho. A decisão é considerada por grupos de educadores brasileiros como “política” e “populista”, faz parte de uma série de propostas, que inclui mudanças nos currículos de Língua Portuguesa e de História e está a ser alvo de intenso debate no país.

Autores como Luís Vaz de Camões, Gil Vicente, Fernando Pessoa, Eça de Queiroz, Camilo Castelo Branco, Almeida Garrett ou José Saramago deixam de ser obrigatórios. Numa prova do ano passado de acesso à Universidade de São Paulo, a mais bem colocada do país nos rankings internacionais, era exigida a leitura de clássicos como Viagens na Minha Terra, de Almeida Garrett, e A Cidade e as Serras, de Eça de Queirós.

“A proposta beira o absurdo (…) como se pode apagar Portugal e a Europa de nossas origens? Tirando do mapa? Será que mais uma vez a seleção de conteúdos foi contaminada por um viés político e ideológico anacrónico? (…) Já que Portugal teria sido uma metrópole colonialista europeia que explorou as riquezas de suas colónias e escravizou populações negras e indígenas na América e em África, agora seria a vez de dar voz à cultura dos oprimidos, em detrimento da Europa elitista e opressora?”, perguntaram-se em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo dois professores universitários brasileiros, Flora Bender Garcia e José Ruy Lozano, indignados com a decisão. Ler o artigo completo(DN)

Uma visitante do Folio – Festival Internacional de Literatura de Óbidos observa livros no mercado transformado em alfarrabista generalista, onde os livros estão guardados em “mil caixas de fruta, colocadas nas paredes do edifício”, Óbidos, 15 de outubro de 2015. Começou hoje o "Folio" Festival Internacional de Literatura de Óbidos, onde vários espaços são transformados em livrarias. CARLOS BARROSO/LUSA

Uma visitante do Folio – Festival Internacional de Literatura de Óbidos observa livros no mercado transformado em alfarrabista generalista, onde os livros estão guardados em “mil caixas de fruta, colocadas nas paredes do edifício”, Óbidos, 15 de outubro de 2015. Começou hoje o “Folio” Festival Internacional de Literatura de Óbidos, onde vários espaços são transformados em livrarias. CARLOS BARROSO/LUSA

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar