7 March 2021
As Universidades de Lisboa e Pequim e o Instituto Politécnico de Macau (IPM) preparam-se para criar uma "plataforma muito importante" para o ensino da língua portuguesa na China, afirmou hoje em Macau o reitor da Universidade de Lisboa.

Lisboa, Pequim e Macau preparam “plataforma” para ensino do português

De acordo com António Sampaio da Nóvoa, a proposta partiu do vice-ministro da Educação, Hao Ping, que recebeu em Pequim a delegação portuguesa. “Sugeriu-nos a criação de uma plataforma para o ensino da língua portuguesa na China e estamos a trabalhar na criação dessa plataforma que nos parece poder ser muito importante”, disse.

Segundo o reitor da Universidade de Lisboa, Hao Ping transmitiu o desejo de Pequim de duplicar para 30 o número de instituições chinesas que oferecem formação na área do português “dentro de dois a três anos”.

Esta meta temporal é “extremamente ambiciosa” na perspectiva de António Sampaio da Nóvoa.

A plataforma pressupõe “desde logo haver um lugar e um espaço onde se possa dar a formação dos professores que vão ensinar língua e cultura portuguesa na China” e prevê “a existência de um espaço de intercâmbio e de trabalho”, “onde os professores possam dialogar e actualizar-se”, explicou.

“Significa, em terceiro lugar, um espaço onde se possam produzir materiais didáticos, manuais escolares que facilitem o ensino da língua portuguesa na China”, acrescentou.

A Universidade de Lisboa, a Universidade de Pequim e o IPM formam o “núcleo inicial” ou “fundador” da plataforma que não cingirá a este trio, na medida em que “é essencial” que se alargue ao universo da lusofonia, defendeu, dando o exemplo das universidades brasileiras ou angolanas “que têm hoje um papel muito importante do ponto de vista da difusão da língua portuguesa no mundo”.

 

Ler artigo completo (ANGOP)

Também poderá gostar

Sem comentários