8 March 2021
A problemática da realidade linguística no país estratifica-se cada vez mais e há muitas ambiguidades na sua interpretação, pelo facto de hoje a comunicação ser feita em Angola através de uma massa linguística híbrida, difusa e heterogénea.

Língua portuguesa próxima do aluno

Um novo livro sobre o ensino da língua portuguesa em Angola, da autoria do docente Muamba Garcia Neto, foi colocado no mercado livreiro na sexta-feira, em cerimónia realizada em Luanda.
Intitulada “Aproximação Linguística e Experiência Comunicacional”, a obra é resultado da experiência de Muamba Garcia Neto como professor de português na escola de formação de professores Garcia Neto, em Luanda.
O livro comporta 132 páginas e, segundo o seu autor, foi escrito com o objectivo de levar as pessoas a terem uma visão diferente sobre o ensino da língua portuguesa em Angola.
A “visão diferente” a que o autor se refere tem de partir, no seu entender, da realidade linguística angolana, uma vez que a língua portuguesa em Angola coabita com línguas locais.
“Nós ensinamos a língua portuguesa como se todos a tivéssemos como língua materna. A minha perspectiva é de que nós devemos ver que, além de alunos que têm o português como língua materna, também há outros que têm o português como segunda língua”, sublinhou o docente.
O professor Muamba Garcia Neto defendeu, no seu livro, uma nova metodologia de ensino, em que a língua portuguesa seria ensinada, em determinadas situações, como segunda língua. Ler o artigo completo.

 

Foto: LUSA – Criancas numa das salas de aulas numa das escola construidas, na provincia do Huambo pela organizacao nao governamental portuguesa CIC. PAULO NOVAIS/LUSA (12/02/2007)

Também poderá gostar

Sem comentários