1 March 2021
Ana Paula Laborinho, Presidente do Camões, IP. 17 de julho de 2012. ANTÓNIO SILVA/LUSA

Língua: Portugal e Espanha em conjunto ultrapassarão melhor a crise

Lisboa, 19 mai(Lusa) — “A semana passada estive num encontro com coreanos e eles relataram a maneira como ultrapassaram uma crise internacional e evitaram que o tecido empresarial fosse afetado. Contrataram alguém para potenciar a língua e a cultura coreana no exterior e transformar a imagem do país. Quer o português quer o espanhol estão em condições de o fazer”, considerou Ana Paulo Laborinho.

O fórum economia das línguas portuguesa e espanhola, organizado pelos institutos Camões e Cervantes (Espanha) e pela casa da América Latina, está a decorrer durante o dia de hoje em Lisboa, para debater de que forma é que os dois idiomas podem ser importantes nas estratégias de internacionalização das empresas e na afirmação das instituições.

No entender da presidente do Instituto Camões, Portugal e Espanha reúnem todas as condições para potenciar as duas línguas uma vez que estes falantes representam 10 por cento da riqueza mundial.

No caso da língua espanhola Ana Paula Laborinho sublinhou a sua importância em países como o Canadá e o Estados Unidos, onde é o segundo idioma oficial, sendo o inglês o primeiro.

Já no caso de Portugal a responsável pelo Instituto Camões destaca o crescimento da língua portuguesa em África e a progressiva introdução do idioma em países limítrofes.

“Portugal e Espanha atravessam no momento uma situação difícil e muitas vezes não conseguem arranjar uma estratégia comum, mas têm de se unir para poder aproveitar melhor o potencial linguístico nos negócios”, defendeu.

A língua portuguesa tem atualmente cerca de 240 milhões de pessoas, sendo o quinto idioma mais falado no mundo.

Já a língua espanhola (castelhano) é falada por cerca de 500 milhões de pessoas, sendo o segundo idioma mais falado no mundo.

FYS.

Lusa/fim.

FONTE: SIC Notícias

Também poderá gostar

Sem comentários

ARTIGOS POPULARES