LÍNGUA LUSA, Amélia Luz

Minha língua lusa é um laço,
É um traço, é o meu espaço!
Esdrúxula, confusa, pessoal,
Abusa das palavras num mesmo ritual
Lambendo a poesia
No sabor sublime do ofício,
Dia após dia!
Minha sina, minha musa,
Herança do meu Portugal,
Ortográfica e gramatical…
Erudita, culta, acadêmica,
Polêmica ou irreverente,
Luz que brota livre na nossa boca
Sedenta de versos.
Popular, simples, corriqueira,
Língua de muitos “falares”,
Língua dos sete mares,
Atravessando os oceanos
Na força dos ventos,
Seguindo o caminho mágico
Das ousadas caravelas portuguesas…
Identidade cultural do baú de Camões,
Com heranças ibéricas próprias e definidas,
Trânsito poético da linguagem que liberta.
Temos nossas raízes próprias
Ao partilhar a palavra viva
Saída do ovário da “última flor do Lácio”,
Brotada em terras brasileiras.
Resmungo o âmago da minha latinidade.
Afinal, quem sou, ou quem somos?
Eu sou, nós somos: cidadãos Portugueses,
Brasileiros, Angolanos, Moçambicanos
Caboverdianos, Guineenses, Goeses,
Macaenses, Santomenses ou Timorenses.
NÓS SOMOS, SOBRETUDO,
A LÍNGUA PORTUGUESA!!!

Homenagem à Feira do Livro de Lisboa – 2021.

AMÉLIA LUZ dedica esta poesia a Karla Júlia

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar