7 March 2021
O primeiro-ministro de Portugal, António Costa (2E), acompanhado pelo o seu homólogo caboverdiano Ulises Correia e Silva (D) e pela diretora Susana Maximiano (E) durante a cerimónia de inauguração da Escola Portuguesa na Cidade da Praia, Cabo Verde, 20 de fevereiro de 2017.. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Inauguração da escola portuguesa na cidade da Praia, em Cabo Verde

Praia, 20 fev (Lusa) – O primeiro-ministro, António Costa, inaugurou hoje a escola portuguesa na cidade da Praia, em Cabo Verde, assumindo que tinha dúvidas sobre se a obra ficaria concluída a tempo, mas admitindo que “errou” na sua previsão pouco “otimista”.

“Verdade se diga, tenho de reconhecer que quando não sou otimista erro. E, por isso, não acreditei que também o que era impossível se torna possível”, declarou o chefe do Governo de Portugal, em tom descontraído, quando discursava perante algumas dezenas de pessoas na escola portuguesa da Praia.

Ladeado pelo primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, António Costa lembrou a proximidade entre ambos desde os tempos em que eram autarcas da Praia e de Lisboa, respetivamente, e já de então vem o desígnio da escola portuguesa.

“Se há algo absolutamente estruturante nesta relação é necessariamente a educação e o ensino”, vincou António Costa, falando da sua relação com o homólogo cabo-verdiano, mas também da proximidade cultural e afetiva entre Portugal e Cabo Verde.

A propósito da IV cimeira bilateral entre os dois países, que hoje aconteceu, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, asseverou ao chefe do Governo que a inauguração poderia dar-se em paralelo com a reunião, o que motivou dúvidas de António Costa: “Até dizem que sou otimista, mas disse que não, não era possível termos a escola. Mas ele [ministro da Educação] disse que sim”.

Na inauguração, as comitivas portuguesas e cabo-verdianas conheceram alguns dos alunos – por ora somente do primeiro ciclo – e ficou prometido o continuar da expansão da escola, até porque ao lado existe um terreno já destinado para esse efeito.

A cimeira de hoje entre os dois países “atestou, uma vez mais, a excelência das relações políticas e de cooperação entre os dois países, e a importância desta parceria estratégica, abrangente e diversificada”, acordaram os executivos de Portugal e Cabo Verde na declaração conjunta que fechou os trabalhos, que decorreram de manhã.

Portugal esteve representado na cimeira não só pelo primeiro-ministro, mas também pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, pela ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, pelo ministro da Defesa, Azeredo Lopes, e pelo ministro do Ambiente, João Matos Fernandes.

PPF // ARA – Lusa/Fim
O primeiro-ministro de Portugal, António Costa (C), acompanhado pelo pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues (E), durante a cerimónia de inauguração da Escola Portuguesa na Cidade da Praia, Cabo Verde, 20 de fevereiro de 2017. António Costa, está em Cabo Verde para participar na IV Cimeira Luso-Caboverdiana. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa (C), acompanhado pelo pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues (E), durante a cerimónia de inauguração da Escola Portuguesa na Cidade da Praia, Cabo Verde, 20 de fevereiro de 2017. António Costa, está em Cabo Verde para participar na IV Cimeira Luso-Caboverdiana. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários

ARTIGOS POPULARES