Praia, 11 mai (Lusa) – O Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP) acaba de criar um conselho de especialistas dos vários países da CPLP para acompanhar a implementação do Vocabulário Ortográfico Comum (VOC) da língua portuguesa, informou hoje fonte oficial.

A informação foi avançada à agência Lusa pelo presidente do Conselho Científico do IILP, Raul Calane da Silva, no final da XI reunião ordinária do conselho, que aconteceu nos últimos três dias na capital cabo-verdiana.

“Foi agora criado o conselho de especialistas, que agora será implementado para continuar a questão do Vocabulário Ortográfico Comum, porque o VOC não acaba quando se harmoniza o Vocabulário Ortográfico Nacional (VON)”, indicou o responsável.

Referindo que a língua é dinâmica, Raul Calane da Silva disse que é preciso harmonizar e ter especialistas para dizer como é que será escrita determinada palavra oriunda de países africanos, do Brasil e de Portugal.

“É preciso acertar isso tudo. Essa comissão de especialistas é quase permanente, tem de estar sempre em cima do acontecimento, para termos sempre uma resposta rápida e eficaz e cientificamente bem elaborada para introduzirmos os novos termos que começam a ser usados no VOC”, continuou.

O presidente do Conselho Científico do IILP disse ainda que outro objetivo da criação da nova organização é ajudar os países que estão mais atrasados na aplicação do VOC, como é o caso da Guiné-Bissau, e da Guiné Equatorial, que entrou há dois anos para a CPLP.

“Não basta só terminar o VON e fazer o VOC. Temos também o projeto das terminologias científicas, temos de harmonizar, uniformizar, estar de acordo com cada um dos nomes e das normas que usamos na nossa investigação científica, seja em área for”, salientou Raul da Silva.

O conselho internacional integra especialistas na área das línguas de todos os países da Comunidade de Países da Língua Portuguesa (CPLP), avançou o presidente.

O VOC, uma plataforma na Internet que alberga os instrumentos que determinam legalmente a ortografia da língua portuguesa, foi oficialmente reconhecido pelos Estados-membros da CPLP na X Conferência de Chefes de Estado e de Governo, que aconteceu em julho de 2014 em Díli.

A base de dados digital é um instrumento previsto pelo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa firmado em 1990 pelos países da CPLP e tem ainda como objetivo a promoção, difusão e projeção da língua portuguesa.

Durante a XI reunião ordinária foram abordados vários outros pontos, como a renovação dos mandados, para dois anos cada, de Raul Calane Silva e Marisa Mendonça, como diretora executiva do IILP, que tem sede na cidade da Praia.

As propostas serão ratificadas na próxima cimeira de chefes de Estado e de Governo da CPLP.

RYPE // EL – Lusa/FimVOC

 

Partilhar