Depois de Moçambique e Cabo Verde, é a vez de São Tomé e Príncipe acolher este encontro dedicado ao ensino da Língua Portuguesa, da Matemática e das Tecnologias, promovido pelo Projecto Pensas da Universidade de Aveiro.

Nos próximos dias 30, 31 de Agosto e 1 de Setembro, a III Bienal da Aprendizagem junta, em São Tomé e Príncipe, professores e investigadores dos países de língua portuguesa para trocar experiências sobre o ensino e a aprendizagem da Língua Portuguesa, da Matemática e das Tecnologias no espaço lusófono.

A par com esta partilha de conhecimento, a terceira edição da Bienal, que passou já por Moçambique e Cabo Verde, cumpre ainda o objectivo de dar a conhecer e discutir uma plataforma para novos ambientes de aprendizagem, e as suas aplicações, promovendo a discussão em torno do potencial pedagógico e didáctico da tecnologia para uma melhor aprendizagem.

O encontro conta com cerca de 150 participantes são-tomeneses e com 30 intervenções inscritas, provenientes de países como Angola, Moçambique e Brasil, que dão grande ênfase aos aspectos técnicos e pedagógicos, inovação, redes de aprendizagem e comunidades virtuais. Ao mesmo tempo, é sublinhada a relação natural entre Educação, Cooperação e Competitividade, defendendo a importânciade uma aposta real e válida nestes três factores enquanto motores de desenvolvimento dos países lusófonos.

Para além de um conjunto de comunicações que permitem aos presentes trocar experiências sobre estratégias par veicular conhecimento na sala de aula –“Fracções no Ensino Básico”, “Estratégias de Ensino da Leitura”, “Matemática e Criatividade”, entre outras, terão lugar várias apresentações sobre o trabalholevado a cabo pelo Projecto Matemática Ensino da Universidade de Aveiro (PmatE) em Moçambique, através do seu projecto de cooperação, o Pensas. Neste âmbito, serão debatidos temas como a “Língua Portuguesa e Cooperação”, “Diz3, uma aplicação de apoio à educação”, destinada ao Ensino Básico, ou uma análise sobre“o conhecimento conceptual dos alunos utilizadores do ambiente PmatE”.

Segundo António Batel, coordenador do Projecto Pensas, “a Bienal é mais um espaço para afirmar a ciência que se faz em Língua Portuguesa. Este é um tema da maior importância quando se fala da defesa do nosso maior património – a língua. É esta mesma língua que tem de ser encarada como factor de progresso e de desenvolvimento da cooperação e de aproximação dos povos que sem ela seriam, seguramente, mais pobres”.

Este evento conta com o apoio da CPLP – Comunidade de Países de Língua Portuguesa e do IPAD – Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento, bem como com o patrocínio da Edubox e das Fundações Portugal África, Luso-Americana e EDP.

 

Veja o programa completo da III Bienal da Aprendizagem


 

Para mais informações, contactar Prof. António Batel Anjo, telm.: 963 948 438 ou batel@ua.pt

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar