25 February 2021
Eleições na Guiné Equatorial (Foto CPLP)

Guiné Equatorial quer apoio de Angola para o ensino da língua portuguesa

Luanda, 20 mai (Lusa) – A Guiné Equatorial pretende reforçar as relações com Angola através, nomeadamente, do apoio ao ensino da língua portuguesa naquele país, disse hoje o seu embaixador em Luanda, após ter sido recebido em audiência pelo vice-Presidente angolano, Manuel Vicente.

À saída do encontro, em que foi analisado o nível de cooperação bilateral, o embaixador da Guiné Equatorial em Angola, José Esono Micha Akeny, recordou que os dois países já possuem intercâmbios entre universidades públicas, e acordos ao nível das pescas colaboração que pretendem alargar.

“Agora temos de desenhar um novo marco para o ensino da língua portuguesa. Para nós é uma língua nova, a população tem de aprender”, admitiu o embaixador da Guiné Equatorial.

Aquele país africano tornou-se em 2014 no nono a integrar a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“Estamos a ver também o apoio institucional. Para estarmos plenamente na CPLP contamos com a ajuda dos países irmãos, entre eles Angola, nos diversos setores. Para acomodar a Guiné Equatorial ao ritmo e à maneira de trabalhar das instituições dos países membros da CPLP”, disse.

A receção do vice-Presidente ao diplomata aconteceu no mesmo dia em que o Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, foi empossado para um novo mandato de sete anos.

Às cerimónias em Malabo está uma delegação angolana liderada pelo Ministro das Relações Exteriores, Georges Chikoti, em representação do Presidente da República, José Eduardo dos Santos.

Há 36 anos no poder – o Presidente africano há mais tempo no poder -, Obiang obteve 93% dos votos nas eleições presidenciais de 24 de abril que, salientou o próprio, “os observadores internacionais classificaram de transparentes, justas e legais”.

PVJ // EL – Lusa/Fim

Também poderá gostar

Sem comentários