Lisboa, 19 mar (Lusa) – O embaixador da Guiné Equatorial em Lisboa diz estar confiante que a língua portuguesa “estará presente” no país e pediu apoio às universidades lusófonas para promover o intercâmbio de jovens estudantes.

A introdução do português no ensino é uma das condições da adesão da Guiné Equatorial, único país de língua espanhola em África, à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que ocorreu em 2014.

“Temos confiança e a certeza que num tempo não muito distante as pessoas vão perceber que o português está presente na Guiné Equatorial”, declarou, em entrevista à Lusa, o embaixador Tito Mba Ada.

“Mas, além dos nossos esforços, precisamos de mais ajuda”, alertou, pedindo “apoio às universidades lusófonas para que possam acolher estudantes, jovens, para realizar a sua formação universitária”.

Para o embaixador, “a juventude é a garantia da integração” e, como tal, é “muito importante que os jovens possam vir aqui e também que os jovens da comunidade possam conhecer melhor a Guiné Equatorial no quadro de integração para fazer a troca de experiências e assim ir falando o português”.

Tito Mba Ada sublinhou que “ninguém pode dominar uma língua” em pouco tempo: “Temos o nosso ritmo, estamos a assimilar e a aprender”.

“Temos um grande empenho em continuar a melhorar. Acredito que com a implementação da língua portuguesa no sistema educativo, as futuras gerações vão falar” o português, introduzido como terceira língua oficial do país, a par do espanhol e do francês.

Questionado sobre a resposta das autoridades equato-guineenses à exigência da CPLP sobre o cumprimento do roteiro de adesão – nomeadamente a abolição da pena de morte, a abertura democrática e a introdução do português – o embaixador disse ser positiva.

Sobre a ratificação, a nível nacional, dos estatutos da CPLP – que ainda não aconteceu, desde a adesão, em julho de 2014 -, Tito Mba Ada explicou que “o Governo e a Assembleia aprovaram e o Senado, atualmente em sessão, está prestes a finalizar esse procedimento”.

“A nossa integração [na comunidade] significa um regresso a casa, foi um ato voluntário do nosso país”, defendeu, salientando as “boas relações” com todos os Estados da organização.

Questionado se a Guiné Equatorial ambiciona ocupar a presidência da CPLP (rotativa, por dois anos), após o Brasil, que assumirá este cargo no verão, o embaixador apontou que o seu país é o Estado mais recente da organização e está “a assimilar rapidamente os valores”.

“Penso que uma das melhores formas de ficarmos à mesma velocidade pode ser assumir a presidência depois do Brasil. A Guiné Equatorial estará preparada para isso, caso haja consenso entre os nossos irmãos”, declarou.

Na relação com Portugal, as autoridades guineenses apontam os laços históricos: foi um português, Fernando Pó, que descobriu uma ilha naquele território, que mais tarde viria a passar, “por interesses da época”, para Espanha e que é hoje a República da Guiné Equatorial.

A capital atual, Malabo, “tem uma arquitetura quase portuguesa” e há muitos apelidos portugueses.

“A Guiné Equatorial é um filho cujo pai é Portugal e o padrasto é Espanha”, disse.

JH // PJA – Lusa/fim
Os chefes das delegações dos países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) posam para a fotografia de família durante a XIV Reunião Extraordinária do Conselho de Ministros da CPLP (1.ª Fila E-D), da Guiné Equatorial, o ministro das Assuntos Exteriores e encarregado das relações internacionais e cooperação, Agapito Mba Mokuy, do Brasil, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira de Angola, o ministro das Relações Exteriores, Georges Pinto Chicolty, o secretário-geral da CPLP, Murade Murargy, de São Tomé e Príncipe, o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, Manuel Salvador dos Ramos. (2.ª Fila E-D) da Guiné-Bissau, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação Internacional e Comunidades, Artur Silva, de Timor-Leste, o ministro dos Negócios Estrangeiros e de Cooperação, Hernâni Coelho, de Moçambique, a vice-ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Nyeleti Mondlane, de Portugal, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva e de Cabo Verde, o ministro das Relações Exteriores, Jorge Homero Tolentino Araújo, na sede da CPLP, em Lisboa, 17 de março de 2016. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os chefes das delegações dos países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) posam para a fotografia de família durante a XIV Reunião Extraordinária do Conselho de Ministros da CPLP (1.ª Fila E-D), da Guiné Equatorial, o ministro das Assuntos Exteriores e encarregado das relações internacionais e cooperação, Agapito Mba Mokuy, do Brasil, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira de Angola, o ministro das Relações Exteriores, Georges Pinto Chicolty, o secretário-geral da CPLP, Murade Murargy, de São Tomé e Príncipe, o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades, Manuel Salvador dos Ramos. (2.ª Fila E-D) da Guiné-Bissau, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação Internacional e Comunidades, Artur Silva, de Timor-Leste, o ministro dos Negócios Estrangeiros e de Cooperação, Hernâni Coelho, de Moçambique, a vice-ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Nyeleti Mondlane, de Portugal, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva e de Cabo Verde, o ministro das Relações Exteriores, Jorge Homero Tolentino Araújo, na sede da CPLP, em Lisboa, 17 de março de 2016. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Partilhar