Lisboa, 30 set (Lusa) – A promoção de parcerias e projetos no setor da energia na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) estará em debate, na próxima semana, na Guiné Equatorial, que acolhe pela primeira vez encontros da organização desde a sua adesão.

“No quadro do processo de integração da Guiné Equatorial na CPLP, realiza-se em Malabo, entre 03 e 07 de outubro, a ‘Semana da CPLP'”, divulgou, em nota enviada à Lusa, a missão permanente da Guiné Equatorial junto da CPLP.

Malabo aderiu à comunidade lusófona em julho de 2014 e esta é a primeira vez que organiza encontros da CPLP.

No âmbito desta semana, decorre a primeira reunião técnica da energia da CPLP, entre quarta e quinta-feira, em Malabo, na sequência da reunião dos ministros responsáveis pelo setor, que decorreu em junho do ano passado, no Estoril (Cascais, Portugal).

Em declarações à Lusa, o diretor da Cooperação da CPLP, Manuel Lapão, explicou que o encontro pretende lançar as bases para a criação de uma parceria internacional para o gás e petróleo, correspondendo à iniciativa da presidência timorense da CPLP para a criação de um consórcio petrolífero na organização.

Outra iniciativa, explicou, passa pela realização de estudos para “avaliar o potencial energético nos Estados-membros” e posterior estabelecimento de “parcerias, para serem depois consubstanciadas em projetos”.

Na reunião técnica deverão ainda ser definidas as linhas de intervenção do plano estratégico da energia na CPLP e para a concretização da Rede de Energia na CPLP, nos domínios da eficiência energética, das energias renováveis e do ambiente, outras resoluções adotadas na chamada “Declaração de Cascais”.

No âmbito desta semana promovida pelas autoridades de Malabo, está previsto um encontro dos representantes das companhias energéticas da CPLP, nos dias 06 e 07, bem como visitas às empresas do setor energético da Guiné Equatorial – SEGESA, GEPETROL, SONANGAS e PUNTA EUROPA.

A Guiné Equatorial organiza, também, um seminário diplomático sobre o “Passado, Presente e Futuro”, entre terça e sexta-feira.

De acordo com a missão equato-guineense, as iniciativas contarão com a presença do ministro das Relações Exteriores e Cooperação da Guiné Equatorial, Agapito Mba Mokuy, do ministro do Petróleo e Recursos Minerais de Timor-Leste, Alfredo Pires, e do ministro da Indústria e Energia da Guiné Equatorial, Eugenio Edu Ndong.

Estarão ainda presentes a diretora geral da CPLP, Georgina Benrós de Mello, e a diretora executiva do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, Marisa Mendonça.

A CPLP, encarada como um país, está entre os dez maiores produtores de petróleo e gás, bombeando mais de cinco milhões de barris por dia.

Entre os seus membros, estão Moçambique, onde se encontram das maiores reservas de gás descobertas na última década, Angola, o maior produtor de petróleo da África subsaariana, e o Brasil, que é um dos mais importantes reservatórios no pré-sal.

Além disso, cerca de metade das novas reservas de gás e de petróleo são de países do bloco lusófono.

JH (MBA) // VM – Lusa/Fim
Partilhar