O romance O Sonâmbulo Amador, do escritor brasileiro José Luiz Passos, é o grande vencedor da 13ª edição do Prémio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa, tendo também recebido o prémio de melhor livro de romance. O anúncio foi feito nesta quarta-feira à noite numa cerimónia realizada no auditório Ibirapuera, em São Paulo, no Brasil.

Os outros livros vencedores da noite foram <i>Essa coisa brilhante que é a chuva</i>, de Cíntia Moscovich, na categoria  de contos, e <i>Sentimental</i>, de Eucanaã Ferraz, na categoria de poesia.

Entre as 12 obras finalistas estava O Filho de Mil Homens, de Valter Hugo Mãe (Cosac Naify), que foi o grande vencedor da edição deste prémio no ano passado. Esta obra concorria à categoria de melhor romance ao lado dos escritores brasileiros Daniel Galera com Barba Ensopada de Sangue (ed. Companhia das Letras, e que em Portugal a Quetzal irá publicar em Janeiro), Miguel Sanches Neto com A Máquina de Madeira (ed. Companhia das Letras) e José Luiz Passos com a obra vencedora O Sonâmbulo Amador (ed. Alfaguara).

O romance escolhido pelo júri conta a história de um funcionário da indústria têxtil pernambucana internado numa clínica psiquiátrica, cujos sonhos se misturam com acontecimentos políticos do fim da década de 1960. É o segundo romance de José Luiz Passos, contista, ensaísta e autor de uma peça de teatro. O escritor, que nasceu em Catende, Pernambuco, em 1971, vive actualmente em Los Angeles, nos Estados Unidos, onde dá aulas na Universidade da Califórnia.

O livro vencedor na categoria de conto,  Essa Coisa Brilhante que É a Chuva, de Cíntia Moscovich (Record), reúne nove contos desta escritora brasileira que nasceu em 1958, em Porto Alegre, e que tem alguma da sua obra publicada em Portugal (o livro de contos Arquitectura do Arco-Íris e o romance Duas Iguais na Bico de Pena por exemplo). No Brasil está presente nas colectâneas25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (organizada por Luiz Ruffato) e Os melhores contos brasileiros do século (organizada por Ítalo Moriconi) e a editora portuguesa Quasi integrou-a na antologia de contistas portugueses e brasileiros,  Putas.

450 livros inscritos

Cíntia Moscovich é jornalista e mestre em Teoria Literária, e tem na cultura judaica um tema recorrente do seu trabalho. A autora era finalista nesta categoria juntamente com A Verdadeira História do Alfabeto, de Noemi Jaffe (Companhia das Letras),  O Tempo em Estado Sólido, de Tércia Montenegro (Grua Editora) e Páginas sem Glória, de Sérgio Sant´Anna (Companhia das Letras).

Por fim, o académico e poeta carioca Eucanaã Ferraz recebeu o prémio na categoria de poesia com o seu sexto livro,  Sentimental (editado pela Companhia das Letras) que reúne 57 poemas.

O autor, que em Portugal tem a obra publicada na Quasi, nasceu em 1961 e é professor de literatura brasileira na Universidade Federal do Rio de Janeiro e organizou os livros de Caetano Veloso Letra sóO mundo não é chato. Eram finalistas nesta categoria Formas do Nada, de Paulo Henriques Britto (Companhia das Letras); Porventura, de Antonio Cícero (Record) e Um Útero é do Tamanho de um Pulso, de Angélica Freitas (Cosac Naify).

Os premiados em cada categoria recebem 50 mil reais (cerca de 15 mil euros), quantia a que o vencedor do Grande Prémio Portugal Telecom 2013 acrescenta outros 50 mil reais (15 mil euros). Ler o artigo completo.

 

Veja o vídeo:

 

Veja:

Visite:

 

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar