2 March 2021
epa05045261 An East Timorese military brass band marches under a giant national flag during a parade to mark the restoration of their independence, in Dili, East Timor, also known as Timor Leste, 28 November 2015. East Timor was colonized by Portugal in the 16th century, until Portugal's decolonization of the country. In late 1975 East Timor declared its independence but was occupied by Indonesia that declared it as the country's 27th province the following year. In 1999, following the United Nations-sponsored act of self-determination, Indonesia relinquished control of the territory and East Timor became the first new sovereign state of the twenty-first century on 20 May 2002. EPA/ANTONIO DASIPARU
Desfile para marcar a restauração da independência de Timor Leste, em Dili. António dasiparu/Lusa

Governo timorense e União de Exportadores da CPLP

Díli, 27 jan (Lusa) – O Governo timorense e a União de Exportadores da CPLP assinaram hoje um acordo de cooperação que permitirá a Timor-Leste ter o primeiro laboratório de certificação de produtos e ajudará a criar uma incubadora de empresas.

O acordo foi assinado em Díli pelo ministro do Comércio, Industria e Ambiente, Constâncio Pinto, e o presidente da União de Exportadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Mário Costa.

Para Constâncio Pinto, o acordo marca uma nova fase de cooperação entre empresários dos países lusófonos e Timor-Leste, ajudando a fortalecer a capacidade exportadora de Timor-Leste.

“Faltava-nos a certificação nos nossos produtos, tanto no que podemos exportar como no que importamos. Com esta certificação podemos ainda este ano conseguir exportar algo para a CPLP ou para a nossa região”, disse o ministro timorense.

Este acordo prevê, entre outros aspetos, a instalação de uma incubadora de empresas, que ajude a “impulsionar e dotar de competências acrescidas jovens empresários timorenses” e ainda a criação de um Laboratório de Certificação de qualidade de produtos de origem timorense.

Esses produtos serão depois incluídos na “Marca CPLP”, segundo prevê o acordo, que inclui apoios na internacionalização, acesso a plataformas de ‘networking’ empresarial e formação, entre outras valências.

“Este protocolo visa fomentar e estreitar a cooperação entre empresários de Timor-Leste e da CPLP, ajudando também ao desenvolvimento do setor privado em Timor-Leste, com iniciativas que contribuem para a capacitação dos empresários locais”, explicou Mário Costa.

Um dos principais objetivos é fomentar as parcerias entre empresas lusófonas e empresas timorenses, capitalizando também na posição estratégica de Timor-Leste como ponte entre a CPLP e a região do sudeste asiático.

A assinatura ocorreu depois de um encontro de preparação do primeiro Fórum Económico Global da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP), que decorre em Díli entre 25 e 27 de fevereiro.

O encontro, sob o tema “CPLP e a Globalização”, pretende fortalecer os laços entre empresas e empresários lusófonos e estudar oportunidades de investimento e de negócio em Timor-Leste.

Considerado uma das principais iniciativas da presidência de Timor-Leste da CPLP, o encontro pretende responder às aspirações de Díli em tornar a lusofonia num espaço de relações comerciais e económicas mais fortes.

O encontro é apoiado pela CPLP, pela Confederação Empresarial da CPLP (CE – CPLP) e pela União de Exportadores da CPLP (UE – CPLP) e permitirá promover Timor-Leste como “plataforma para o desenvolvimento”.

O encontro reunirá dezenas de empresários de vários países e centra-se em cinco áreas estratégias: indústria petrolífera, de gás e extrativa, agricultura e agroindústria, mar e pescas, indústria manufatureira, turismo e infraestruturas.

Em debate estarão questões como o papel da CPLP como bloco multirregional, o papel dos blocos económicos na economia global e os “desafios e as oportunidades da inserção da CPLP” noutros blocos económicos regionais.

ASP // MP – Lusa/Fim

 

Também poderá gostar

Sem comentários

ARTIGOS POPULARES