Joanesburgo, 01 mar (Lusa) – A empresa sul-africana SacOil anunciou hoje a assinatura de um acordo que prevê a instalação de 2.600 quilómetros de gasoduto em Moçambique, um projeto orçado em 6 mil milhões de dólares (5, 5 mil milhões de euros).

Segundo o comunicado, divulgado pela SacOil Holdings, em Joanesburgo, o gasoduto vai ligar a bacia do Rovuma, no norte de Moçambique, à província sul-africana de Gauteng.

O futuro gasoduto (“Africain Renaissance”) vai também abastecer as “cidades moçambicanas” situadas ao longo do trajeto.

O acordo foi assinado entre a Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH), a SacOil, a sociedade anónima Profin Consulting e a China Petroleum Pipeline Burreau (CPP).

A sociedade anónima Profin é apontada como sendo um consórcio do setor privado moçambicano, enquanto a CPP, de acordo com o comunicado da SacOil, é uma companhia chinesa que se dedica à instalação de ligações (gasodutos e oleodutos) e que vai dotar o projeto de conhecimentos técnicos especiais.

Segundo Thabo Kgogo, presidente executivo da SacOil, o acordo garante o compromisso necessário para o financiamento na fase de pré-investimento, assim como para os estudos de engenharia do projeto “abrindo o caminho para a aceleração da construção e implementação” da obra.

A CPP vai garantir o financiamento e lançar os estudos de investimento, sendo que 17% do projeto é garantido por instituições financeiras chinesas.

A empresa chinesa é uma sucursal da China National Petroleum Company, que detém 20% do bloco de ‘offshore’ Área 4 – operado pela italiana ENI -, situado na bacia do Rovuma e ao largo da província de Cabo Delgado.

A SacOil refere também que a estratégia conseguida com o acordo pretende configurar uma posição de liderança das ligações de energia em África, com “benefícios para as populações”.

PSP // EL – Lusa/fimHidrocarbonetos em Moçambique
close
Subscreva as nossas informações
Partilhar