5 March 2021
Representantes das fundações dos países de língua portuguesa vão participar num encontro em Cabo Verde, de 06 a 08 de novembro, para debater os desafios do setor, na promoção do desenvolvimento local e na intervenção social nas comunidades.

Fundações dos países de língua portuguesa vão debater desenvolvimento em Cabo Verde

De acordo com um comunicado do Centro Português de Fundações, entidade que vai promover o encontro, com o apoio da Fundação Infância Feliz, esta é a 9.ª reunião do setor fundacional da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“Desenvolvimento Local e Desenvolvimento da Sociedade Civil” vão ser os temas em debate no 9.º Encontro de Fundações da CPLP. que decorrerá em Cabo Verde, de 06 a 08 de novembro.

Nesses três dias serão discutidas questões relativas ao desenvolvimento local nos vários países, através de visitas de trabalho a diversos projetos na ilha de Santo Antão.

No Mindelo, será abordada a problemática do desenvolvimento da sociedade civil, e a intervenção de organizações não estatais, e a importância dos projetos nas áreas da educação e da saúde na promoção dos direitos humanos.

De acordo com o programa, o ex-presidente de Cabo Verde, Pedro Pires, na qualidade de laureado em 2011 com o prémio da Fundação Mo Ibrahim de Excelência na Liderança Africana, proferirá uma conferência sobre o papel dos agentes da sociedade civil no fortalecimento da democracia e do desenvolvimento.

Também será debatido o ponto da situação das Metas de Desenvolvimento do Milénio no espaço da CPLP, que, segundo o CPF, tem sido monitorizado regularmente desde 2009, nos Encontros de Fundações da CPLP.

De acordo com o CPF, os encontros de Fundações da CPLP iniciaram-se em 2003 como uma plataforma de instituições que partilham uma língua comum, para constituição de parcerias de resposta às necessidades de cada país representado.

O CPF foi criado em 1993, em Lisboa, pela Fundação Engenheiro António de Almeida, a Fundação Calouste Gulbenkian e a Fundação Oriente, e é atualmente presidido por Artur Santos Silva, presidente do conselho de administração da Gulbenkian.

Como instituição representativa do setor fundacional, tem, no centro dos seus objetivos, a defesa dos interesses comuns dos associados, num total de 140 fundações.

 

AG. // MAG.

Lusa/Fim.

Foto: LUSA – António Barreto, presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos, Lisboa, 13 março 2012. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários