26 February 2021
A Fundação Cidade de Lisboa informou hoje, nas comemorações dos 25 anos da instituição, que durante a sua existência atribuiu um total de 700 bolsas de estudo.

Fundação Cidade de Lisboa comemorou os seus 25 anos

A Fundação Cidade de Lisboa possibilita que estudantes de países de língua oficial portuguesa e de outros países com raízes portuguesas estudem em Portugal, tendo atribuído em 25 anos cerca de 700 bolsas de estudo, de acordo com o presidente do conselho de administração da Fundação Cidade de Lisboa, Álvaro Pinto Correia.

Estes estudantes regressaram, na sua maioria, aos países de origem, “onde desenvolveram a sua atividade e muitas delas em cargos de relevo, tanto ao nível da iniciativa privada, como do setor público”, disse Álvaro Pinto Correia, que discursava ao final da tarde no edifício sede da Fundação Cidade de Lisboa, no Campo Grande.

Álvaro Pinto Correia salientou também “o interesse pela língua portuguesa manifestado pelos alunos de Goa e a alegria das mulheres desempregadas em Cabo Verde, da Ilha de Santo Antão, após a realização de um projeto facilitador da sua empregabilidade”.

A cerimónia contou com a presença do presidente do Tribunal de Contas, Guilherme d’Oliveira Martins, e do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa.

Guilherme d’Oliveira Martins, que acompanhou a fundação ao longo dos anos, frisou que “cada um deles [bolseiros] é um embaixador da língua e da cultura portuguesa”.

Já António Costa destacou o “espaço de defesa dos valores culturais e sociais da cidade”, assim como o “polo de intercâmbio entre Lisboa e o mundo lusófono”, desenvolvido pela fundação.

“Sinto que há necessidade de estreitar os laços entre o município e a fundação que ostenta o nome da cidade, aproveitando sinergias e desenvolvendo, de forma permanente e organizada, as necessárias parcerias para pôr a fundação também ao serviço da cidade”, declarou António Costa, que descerrou uma placa comemorativa dos 25 anos da fundação.

No evento, foram homenageados dois dos dez alunos (um de Cabo Verde e outro de Angola), que terminaram os estudos no ano letivo de 2012/2013 e que continuam em Portugal, assim como uma doutorada do Colégio Universitário de Cooperação.

À semelhança destes bolseiros, os representantes de empresas patrocinadoras como o BPI, o Banco Fomento de Angola, a Empresa Pública de Urbanização de Lisboa, a Fundação Montepio e a Fundação Portugal Telecom, também receberam um diploma de distinção.

A comemoração aconteceu no mesmo dia em que se assinalam os 15 anos da morte do fundador daquela entidade e antigo presidente da Câmara Municipal de Lisboa Nuno Krus Abecasis.

AYMN // HB – Lusa/Fim

 

Também poderá gostar

Sem comentários