De acordo com o produtor Abi Feijó, o premiado filme de animação de Regina Pessoa será exibido em Paris, no âmbito do Panorama of Golden Nights, uma mostra marcada para os dias 16 a 18 de junho, organizada pela UNESCO.

O programa “‘Golden Nights’ selecciona o que considera serem as melhores curtas-metragens (de ficção e de animação) do último ano, no mundo, para uma mostra no Grande Teatro da UNESCO em Paris”, escrevem Abi Feijó e Regina Pessoa, em novo comunicado divulgado esta noite, acrescentando que tal escolha os orgulha.

Em informação anterior, lia-se que este evento da UNESCO tinha por “objetivo projetar e promover as melhores curtas que fazem parte do ‘património cultural internacional'”, citando, em tradução livre, as palavras da organização.

Abi Feijó e Regina Pessoa alertam para o facto de que este programa especial da UNESCO não tem relação “com o que é normalmente considerado ‘Património Mundial’, o que pressupõe uma candidatura muito elaborada e complexa, o que não foi o caso”.

O Panorama of Golden Nights apresentará em Paris 48 curtas-metragens de 25 países, com esta obra de Regina Pessoa, que tenham sido premiadas por academias de cinema de todo o mundo desde 2013.

“Kali, o pequeno vampiro”, o mais recente filme de Regina Pessoa, soma mais de vinte prémios em festivais internacionais, foi distinguido pela Academia Portuguesa de Cinema e foi nomeado ainda para os Annie (Óscares da animação) e para o Cartoon d’Or.

Esta é a terceira curta-metragem de animação que Regina Pessoa assina em nome próprio, depois de ter co-realizado “Estrelas de natal” (1998), com Abi Feijó.

Depois de “A noite” (1999) e “História trágica com final feliz” (2005), a autora regressou ao universo da infância, através dos medos e da curiosidade de uma criança, um pequeno vampiro, que teme o escuro e deseja ter amigos.

“Kali, o pequeno vampiro”, desenho e gravura em computador, é uma coprodução entre Portugal, França, Canadá e Suíça, tem música original dos Young Gods e narração do ator Christopher Plummer, na versão em inglês, e do realizador Fernando Lopes, na versão portuguesa.

SS // MAG – Lusa/Fim