Lisboa, 13 set (Lusa) – A promoção e a divulgação da cultura lusófona é o principal objetivo do “Festival Seis Continentes”, que se realiza entre 01 e 02 de outubro, em 125 cidades em mais de 30 países, disse hoje o diretor-geral do evento.

“O objetivo fundamental do festival é promover e divulgar as culturas lusófonas de forma transversal, com eventos que passam pela música, teatro, dança, fotografia, artesanato, gastronomia, exposições, cinema, entre outros”, declarou à Lusa Filipe Larsen.

De acordo com o responsável, o evento “centra-se na lusofonia, mas convida também as culturas hispânicas a participarem com os seus eventos nos seus países”.

“Estamos a falar de uma organização que vai desde a Austrália ao Japão, passando por Timor-Leste, Goa e indo até a várias cidades no México, cerca de 30 cidades no Brasil e também nos Estados Unidos”, sublinhou.

Segundo Larsen, este evento já é considerado o festival não institucional “maior e mais vasto do mundo e não só da lusofonia”.

O diretor-geral do “Festival Seis Continentes” disse ainda que participarão cerca de 2.000 artistas em mais de 160 eventos nas várias cidades.

A organização do festival conta com parceiros locais nos diversos países para a realização do evento.

“É dessa forma que se cria uma rede mundial de pessoas ligadas ao festival que vivem nos locais e eles próprios fazem a dinâmica local, a nível da seleção dos artistas, dos espaços e dos apoios e patrocínios a nível local”, afirmou Filipe Larsen, que também é músico.

Essa rede também cria, de acordo com Larsen, intercâmbios culturais entre os diversos intervenientes no âmbito global.

Segundo o responsável, “os eventos não priorizam os grandes nomes, são normalmente pequenos, com algumas centenas de pessoas. É uma filosofia diferente que busca trazer algo de novo”.

Filipe Larsen referiu ainda que, até ao final de setembro, será lançada a “Seis Continentes TV”, uma televisão na internet.

Este novo meio de comunicação na web, disse, não trará só os conteúdos do festival, mas outros produtos culturais de artistas e produtores que estejam dispostos a divulgar os seus trabalhos, sobretudo entre os lusófonos.

CSR // VM – Lusa/Fim

 

Partilhar