Em declarações à Lusa, o musicólogo, que foi um dos responsáveis da candidatura do Fado a Património Imaterial da Humanidade, afirmou que o objetivo da cadeira é “dar aos alunos um panorama geral da emergência do Fado a partir dos processos de mudança nas práticas musicais urbanas em Portugal, na viragem para o século XIX”.

 

O fado convida outros povos a falar a nossa língua


A disciplina visa ainda dar a conhecer o desenvolvimento do género fadista até aos nossos dias.

“Propõe-se um modelo de periodização e caracterizam-se as sucessivas etapas do percurso histórico do Fado, procurando abordá-las a partir do respetivo contexto sócio-cultural e detetar em cada uma delas os seus processos de mudança estética e técnica interna em termos dos principais protagonistas, do repertório, das convenções poético-musicais e das práticas performativas”, explicou Rui Vieira Nery à Lusa.

A unidade curricular desenvolve-se em oito etapas. A primeira aborda “a música no salão burguês luso-brasileiro, do final do Antigo Regime. A cançoneta, a modinha e o lundum”.

Segue-se “o desenvolvimento do Fado dançado afro-brasileiro, a sua chegada a Lisboa nas décadas de 1820 e 1830” e “o Fado nos circuitos boémios e marginais de Lisboa. O mito fundador da [Maria] Severa (1820-1846)”.

O quarto ponto é sobre “a expansão social do Fado na segunda metade do século XIX. A Revista e o Teatro Musical. As edições para uso doméstico. A emergência do Fado operário e republicano”.

“A transição para o século XX. Renovação poética e musical. O arranque da indústria discográfica. Os novos locais de apresentação profissional”, constituem o quinto ponto.

O sexto e sétimo são, respetivamente, “O Fado no Estado Novo. A censura, a carteira profissional e o licenciamento de recinto performativos. A rede das casas de Fado. O debate ideológico e político sobre o género”, e “Os processos de internacionalização e a renovação poético-musical das décadas de 1960 e 1970. O impacte do 25 de Abril de 1974. A crise do sector no Portugal democrático”.

O oitavo e último ponto corresponde ao “ressurgimento das décadas de 1980 e 1990. O ‘Novo Fado’, a entrada na World Music e a candidatura a Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO”. Ler o artigo completo.

 

Foto: LUSA – O presidente da Comissão Científica da candidatura do Fado a Património Imaterial da Humanidade, Rui Vieira Nery, durante uma entrevista à Agência LUSA, em Bali, Indonésia, 25 de novembro de 2011. (ACOMPANHA TEXTO). ANTONIO AMARAL / LUSA

Observatório da Língua Portuguesa
autores Observatório da Língua Portuguesa

Partilhar