7 March 2021
O analista de Política internacional Mário Pinto de Andrade considera que a expansão da Língua Portuguesa como instrumento de trabalho na ONU e na União Africana, depende exclusivamente da vontade dos Estados membros no que concerne à concertação das quotas.

Expansão da Língua Portuguesa depende do consenso dos Estados membros

Falando à Angop, sobre o estado actual dos PALOP – Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, o académico disse ser importante que se faça a expansão desse idioma por ser falado por mais de 200 milhões de pessoas no mundo.

Em sua opinião, a oficialização da Língua portuguesa na UA só é possível através de negociações, uma vez que Angola é um país com grande expressão, a seguir de Moçambique, ao passo que na ONU, depende exclusivamente da CPLP, porque não há grandes constrangimentos em negociar com a Assembleia-Geral.

Acrescentou que neste momento, tudo depende de Portugal e do Brasil, porque esses dois Estados estão interessados nos pormenores da tradução e da escrita.

“ Se houver essa união entre os países, conseguiremos alcançar a meta que queremos, o que é necessário é o consenso de todos”, disse.

Integram essa organização de concertação política, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde.

Fonte: ANGOP

Foto: Mário Pinto de Andrade, analista de política internacional

Também poderá gostar

Sem comentários