São Tomé, 08 out (Lusa) – As duas escolas portuguesas que funcionam há vários anos no bairro militar em São Tomé, uma escola primária e o Instituto Diocesano de Formação (IDF), passaram hoje formalmente à categoria de Escolas Portuguesas.

Esses dois centros de ensino vão continuar a lecionar da 1.ª classe ao 12.º ano, com todas as exigências, normas e regulamentos próprios das escolas portuguesas até à construção, no próximo ano, de instalações próprias de raiz.

A formalização da criação da escola portuguesa em São Tomé e Príncipe aconteceu hoje numa cerimónia que teve lugar no Gabinete do ministro da Educação, Cultura e Ciências, Olinto Daio, e resulta de um acordo assinado em abril, na capital são-tomense, entre os governos dos dois países.

O ministro Olinto Daio reconheceu que a formalização constitui “uma oportunidade não só para os filhos dos portugueses que residem em São Tomé e Príncipe como também para os são-tomenses”, destacando que estes poderão assim ter acesso direto ao ensino superior.

“Ainda temos algumas dificuldades no nosso sistema de ensino, sobretudo na questão da oferta escolar do ensino e sobretudo do secundário e quanto mais escolas tivermos no país, e também com diversidade de abordagem, vai melhorar a oferta e reduzir o impacto que temos com superlotação de alunos”, disse o governante.

Criança de São Tomé e Príncipe na marginal da cidade de São Tomé, 06 de outubro de 2014. ANDRE KOSTERS / LUSA

Criança de São Tomé e Príncipe na marginal da cidade de São Tomé, 06 de outubro de 2014. ANDRE KOSTERS / LUSA

A criação da escola portuguesa em São Tomé e Príncipe foi publicada no Diário da República (DR) de 29 de setembro.

Segundo o decreto-lei, a escola terá currículo escolar idêntico ao de Portugal e permite a inscrição de filhos de cidadãos portugueses, bem como de são-tomenses, e abrangerá os ensinos pré-escolar, básico e secundário.

O novo edifício será construído em terreno disponibilizado pela câmara de São Tomé.

O objetivo da escola passa por promover e difundir a língua e a cultura portuguesa, o laço linguístico e cultural entre Portugal e São Tomé e Príncipe e aplicar as orientações curriculares para a educação pré-escolar e dos planos curriculares e programas dos ensinos básico e secundário em vigor no sistema educativo português.

Por outro lado, segundo o DR, visa também contribuir para a promoção socioeducativa de recursos humanos, proporcionar uma formação de base cultural portuguesa, promover a escolarização de filhos de portugueses e constituir-se como centro de formação de professores e centro de recursos.

MYB (JSD/CFF) // EL – Lusa/fim
Crianças-de-São-Tomé-e-Príncipe-na-marginal-de-da-cidade-de-S.-Tomé 06 de outubro de 2014. ANDRE KOSTERS / LUSA

Crianças-de-São-Tomé-e-Príncipe-na-marginal-de-da-cidade-de-S.-Tomé 06 de outubro de 2014. ANDRE KOSTERS / LUSA

Partilhar