Foto de Pascal Subtil

Praia, 20 set (Lusa) – A Escola Portuguesa de Cabo Verde (EPCV) vai começar a funcionar em outubro, cerca de quatro anos depois da assinatura do protocolo que previa a sua criação.

As instalações da escola, que este ano funcionará apenas com turmas do pré-escolar (dos 3 aos 5 anos) e do 1.º e 2.º anos do 1.º ciclo, situam-se na zona da Cidadela, na capital cabo-verdiana, num terreno cedido para a sua construção pelas autoridades de Cabo Verde.

As obras estão em fase de conclusão e estão já a decorrer as matrículas, disse à agência Lusa a diretora da EPCV, Suzana Maximiano.

“É uma escola igual às escolas públicas que funcionam em território português. É igual na sua génese à Escola Portuguesa de Maputo (Moçambique) e à Escola Portuguesa de Díli (Timor-Leste)”, explicou a diretora.

A escola irá ser gerida diretamente pelo Estado português, depois de ter estado prevista a realização de um concurso internacional para a sua construção e exploração, ideia que viria a ser abandonada.

“A decisão de abrir a escola em Cabo Verde ainda este ano foi tomada num espaço curto de tempo […], vai abrir durante o mês de outubro e estamos a fazer todos os esforços para que seja um projeto de sucesso”, adiantou Suzana Maximiano.

Segundo a diretora, a abertura da escola em tempo recorde é possível porque será edificada com recurso “a uma construção rápida e ecológica que irá permitir uma poupança significativa de energia”.

A escola terá, nesta primeira fase oito salas: seis salas de aula, um centro de recursos (biblioteca/sala de estudos), uma sala de informática, refeitório e espaços de recreio.

“Decidimos abrir faseadamente porque estamos a construir também faseadamente”, disse Suzana Maximiano, explicando que a opção está relacionada com questões de financiamento.

“Tínhamos dinheiro para fazer esta fase e optou-se por construir a escola de pré-escolar e 1º ciclo. Temos um terreno de cerca de 12 mil metros cedido pelo governo de Cabo Verde e depois avançaremos à medida que formos tendo dinheiro”, disse.

Adiantou que o investimento nesta primeira fase representa um quarto do investimento total previsto, mas escusou-se a avançar valores.

A escola funcionará com programas curriculares e professores portugueses deslocados para Cabo Verde ao abrigo da mobilidade estatutária.

Devido ao início das aulas já depois do arranque do ano escolar em Portugal e em Cabo Verde, este ano o calendário de aulas deverá prolongar-se até finais de junho.

Aberta a alunos portugueses, cabo-verdianos e de outras nacionalidades, o valor da inscrição é de sete mil escudos (cerca de 65 euros), o mesmo da propina mensal paga durante 10 meses.

CFF // JMR – Lusa/Fim
Foto: LUSA

Cidade da Praia. 04 de Marco de 2007. OMAR CAMILO/LUSA

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar