Coimbra – Uma equipa multidisciplinar de investigadores da Universidade de Coimbra (UC), em colaboração com um programador e um grupo de designers, desenvolveu quatro jogos – 1910, Tempoly, Os Maias. Becoming an expert! e Konnecting. O Homem, ser comunicante- para serem utilizados em contexto escolar a partir de dispositivos móveis, em diferentes níveis de ensino (2º e 3º ciclos do ensino básico, ensino secundário e ensino superior), informa nesta segunda-feira (15), em comunicado, a universidadeportuguesa.

Antes de avançar para o desenvolvimento destes jogos, já testados com sucesso em estabelecimentos de ensino do centro e norte do país, os investigadores foram perceber junto dos alunos quais as suas preferências relativamente aos jogos em dispositivos móveis.

Ana Amélia Carvalho, coordenadora do estudo financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), afirma que a reação dos alunos e professores que testaram os jogos desenvolvidos pela sua equipa «tem sido muito positiva», explicando que o objetivo é «rentabilizar os dispositivos mais populares entre as gerações mais novas, os smartphones e os tablets, para implementar uma aprendizagem muito mais aliciante e interativa.»

«É necessário alterar as práticas de ensino, ir além da aula expositiva tradicional. E nada melhor do que recorrer às tecnologias que os nossos estudantes mais usam.Se os alunos gostam de jogos e levam os dispositivos para a escola, então há que os aproveitar para ensinar e aprender, contribuindo também desta forma para o combate ao insucesso escolar», defende a Catedrática da Faculdade de Psicologia e de Ciências de Educação da Universidade de Coimbra (FPCEUC). Ler o artigo completo (africa21digital)

Implementação da República

RELACIONADAS