Esta manhã, na Biblioteca Municipal José Saramago, em Loures, foi anunciada a “Palavra do Ano” 2012 eleita pelos portugueses: “entroikado”.

Ao contrário do que aconteceu na edição 2011, a escolha foi clara, uma vez que “entroikado” obteve 32% dos votos, tendo “desemprego” registado 14% e “solidariedade” 12%.

Com base nestes resultados, poder-se-á dizer que “entroikado” traduzirá o sentimento geral que se vive no país: os portugueses sentir-se-ão “entroikados”, dadas as condições de austeridade impostas pela troika.

 

 

A crise socioeconómica que Portugal atravessa e o impacto da mesma no quotidiano dos portugueses, tema constante na agenda do ano anterior, conduziram ao registo deste neologismo no Dicionário da Língua Portuguesa online da Porto Editora.

O vocábulo “entroikado” é, também, um excelente exemplo da produtividade da língua portuguesa: juntando um elemento à esquerda e outro à direita da palavra “troika” nasce um novo vocábulo.

A equipa de linguistas do Departamento de Dicionários da Porto Editora, responsável pela seleção das palavras candidatas, continuará a acompanhar de perto a vida evolutiva desta nova palavra no quotidiano dos portugueses.

A palavra “entroikado” sucede a “austeridade” como “Palavra do Ano”, sendo de referir que, em 2010, a palavra eleita foi “vuvuzela” e, em 2009, foi “esmiuçar”.

A “Palavra do Ano” (www.portoeditora.pt/palavradoano) é uma iniciativa da Porto Editora que tem como objetivo principal enaltecer o património da língua portuguesa, sublinhando a importância que as palavras e os seus diferentes sentidos representam no nosso quotidiano.

Partilhar