Díli, 15 jun (Lusa) – O ensino do português é o “único caminho” para o reforço da soberania e afirmação nacional de Timor-Leste na região e no mundo, afirmou hoje o ex-primeiro-ministro timorense Mari Alkatiri.

“A língua de Camões passou de língua estrangeira a língua nacional, de língua de dominação estrangeira para língua de afirmação nacional”, disse Alkatiri, numa conferência em Díli.

“O caminho é só um: fazer do português a língua de ensino, da ciência e do domínio da tecnologia, a par do desenvolvimento do tétum. Só assim continuaremos a afirmar a nossa diferença na região e no mundo”, sublinhou.

Mari Alkatiri falava na abertura em Díli da “3.ª conferência internacional sobre o futuro da língua portuguesa no sistema mundial”, que reúne especialistas de vários países e marca a reta final da presidência de Timor-Leste da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O ex-chefe do Governo disse que o português e o tétum são línguas “sempre necessárias no reforço de identidade e da soberania nacionais”.

Ao mesmo tempo, e pela integração no espaço mais amplo da CPLP, a língua portuguesa permite a Timor-Leste “ter um papel na região e no mundo e portas abertas para outros continentes”.

Alkatiri recordou a história de Timor-Leste, que deixou um mosaico linguístico e étnico unido por vários aspetos, incluindo o português e o tétum.

“Somos o que somos hoje fruto desta interação, entre línguas de diferentes origens e estruturas, religiões que afirmam a fé de diferentes maneiras, formas diferentes de explicar os fenómenos do mundo dos mistérios e do sobrenatural”, disse.

“Estas diferenças geraram uma nova energia, a energia libertadora da afirmação dos direitos e de afirmação de uma fronteira identitária física, por um lado, e uma fronteira mais ampla, mais multicultural, destacando tudo o que a história deixou em povos de diferentes latitudes e continentes”, recordou.

Timor-Leste, disse, é hoje “mosaico de línguas e dialetos, de etnias e de casas sagradas” onde o português ajudou a fortalecer o tétum, a primeira consolidando-se como língua da administração e ensino e a segunda “mais utilizada para facilitar a compreensão de mensagens menos elaboradas”.

ASP // MP – Lusa/Fim
Caravela Timor-Leste (3)

Uma caravela de 8, 5 toneladas em bronze é o elemento central do novo monumento que marca, na praia de Lifau, a chegada dos portugueses a Timor-Leste, há 500 anos.

Partilhar