A austeridade imposta em troca do pacote de ajuda financeira na Grécia está também a afectar a comunidade portuguesa, na medida em que foram cortadas as verbas para o ensino do português em Atenas

Vítor Vicente dava aulas aos luso-descendentes e filhos de famílias vindas de países de língua portuguesa. Tinha 20 alunos.Era o único professor de português pago pelo Ministério da Educação grego no âmbito de um protocolo entre os dois governos.As aulas deviam começar em Setembro/ Outubro mas o concurso foi sendo adiado até hoje. O professor de português dá agora aulas apenas no sector privado, onde a crise também se sente.A situação é do conhecimento do embaixador português em Atenas, Alfredo Duarte Costa, que referiu na TSF que o Instituto Camões está a estudar esta situação, motivada pela crise nas finanças públicas gregas.

 

Ouça:

 

O Instituto Camões admitiu, esta terça-feira, que só ontem tomou conhecimento de que as aulas de português em Atenas estão suspensas.

A presidente do Instituto Camões, Ana Paula Laborinho, revelou à TSF que só na segunda-feira ficou a saber da situação e admitiu a resolução do caso só no próximo ano lectivo.

A responsável acrescentou que vai tentar perceber se há algum problema diplomático ao nível da reciprocidade (aulas de português na Grécia e de grego em Portugal» que justifiquem esta situação.

 

 

 

 

 

FONTE: TSF

Partilhar