A língua portuguesa é lecionada em várias universidades e escolas superiores de Moscovo e São Petersburgo, bem como de cidades como Kazan, Rostov no Don e Petegorsk.

Porém, o maior número de russos frequenta escolas e cursos privados em Moscovo que não têm as condições necessárias para responder à grande procura.

“Em relação às perspetivas, acho que o crescimento que temos tido até agora é para continuar. Acredito que haverá cada vez mais pessoas que vão querer aprender a língua de Camões”, declarou à Lusa o português Stanislav Mikos, diretor da instituição social Centro Cultural Português na Rússia.

“Num futuro próximo, iremos sentir falta de professores preparados para ensinar português na Rússia. Vamos também ter problemas a nível de instalações porque, nas que temos, não cabem todos os interessados. Além disso, vamos tentar abrir centros noutras cidades”, disse Mikos.

O arrendamento de salas em Moscovo é um dos mais caros do mundo, o que trava o aumento das escolas privadas existentes.

Quanto ao que leva os russos a estudar português, Mikos sublinha: “Portugal passa a ser um destino turístico cada vez mais apetecível para os russos. Graças ao turismo, o país torna-se conhecido não só em Moscovo e em S. Petersburgo, mas também na província. A razão para isso é simples: Portugal é espetacular, e isso é fácil de notar. Basta lá ir uma única vez”.

“Depois acontece o mais importante: como o país é mesmo único, os russos visitam-no, apaixonam-se e já não imaginam a sua vida sem Portugal. Começam a voltar. Os que podem, compram casas, outros limitam-se a passar aí férias todos os anos. Há quem queira imigrar. No nosso fórum já há muitas pessoas que discutem a possibilidade de abrir um negócio em Portugal ou investir para conseguir autorização de residência e, posteriormente, a cidadania”, acrescenta ele.

“Além disso, os russos já não precisam de visto para ir ao Brasil. Isto contribui para que o Brasil também fique mais conhecido. Bossa nova e capoeira estão na moda. Isso tudo cria uma espécie de sinergia, o que faz com que a nossa língua seja cada vez mais falada na Rússia”, concluiu.

Ruslan Baskakov, diretor do Centro de Língua Portuguesa e de Culturas dos Países Lusófonos, quantifica as razões por detrás do estudo da língua portuguesa na Rússia: “Podemos dividir todos os alunos que estudam português ibérico em quatro grupos: 1) mulheres que têm relações com portugueses e planeiam criar famílias – 65 por cento; 2) pessoas que têm imobiliário em Portugal – 20 por cento; 3) turistas – 10 por cento e 4) os outros – 5%”.

“Quanto ao aumento do número de estudantes, nota-se, mas não é tão forte. É de aproximadamente 20-30 por cento”, considera o diretor dessa escola privada.

As autoridades e homens de negócios portugueses não souberam utilizar o facto de milhares de soviéticos terem estudado português nos anos de 1970 e de 1980 para entrarem no mercado dos países da antiga União Soviética. Talvez saibam aproveitar esta segunda oportunidade.

JM // MLL – Lusa/fim

Foto: LUSA – Escola de cadetes russos na tradicional parade de comemoração do 68º aniversário da vitória sobre a Alemanha nazi na Segunda Grande Guerra. Moscovo. 09 de maio de 2013 EPA/SERGEI CHIRIKOV

Foto LUSA: 70 º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial. Moscovo. EPA/MAXIM SHIPENKOV

Foto LUSA: 70 º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial. Moscovo. EPA/MAXIM SHIPENKOV

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar