Do lote de participantes, constam os escritores Rui Zink (Portugal), Maria Celestina Fernandes (Angola), Valentino Viegas (Goa, Índia) e Izabelle Valladares (Brasil), o poeta Arménio Vieira, primeiro cabo-verdiano a receber o Prémio Camões (2009), o ilustrador português Paulo Galindro, escritor e poeta galego Xurxo Nóvoa Martins, e o pintor moçambicano Roberto Chichorro.

Intitulado “Munda Lusófono”, referência do rio Mondego no tempo dos Romanos, o encontro “é o ponto de partida para uma viagem pela literatura de língua portuguesa espalhada por vários continentes”, lê-se na nota de apresentação do evento.

Promovido pela autarquia de Montemor-o-Velho com coordenação da escritora Lurdes Breda, o “Munda Lusófono” consta de três trechos programáticos – dois no sábado e um no domingo – uns destinados aos autores convidados e aos que se inscrevam na iniciativa, outros abertos ao público em geral.

No sábado, na Quinta do Taipal, a partir das 15:00, Jair Chiulele, presidente da Casa de Moçambique de Coimbra, fará a apresentação dos autores, seguindo-se uma mostra de livros e sessões de autógrafos.

Às 21:30, na Igreja de Santa Maria de Alcáçova, no Castelo de Montemor-o-Velho, decorre o espetáculo de fado “Trovas Lusófonas”, acompanhado de leituras de textos pelos autores participantes.

Domingo, às 12:00, a iniciativa “Versos e Flores à Musa do Munda” consta de uma nova leitura de textos, desta vez junto ao rio Mondego, na povoação de Formoselha, com a participação do grupo de música popular Trigainas.

À tarde, na Biblioteca Municipal Afonso Duarte, haverá um momento lúdico através do contador de histórias José Craveiro, música com o cantor brasileiro Marcos Assumpção, repetindo-se a mostra de livros e sessões de autógrafos.

JLS // SSS – Lusa/Fim


Fotos: Castelo de Montemor-o-Velho. 11 de Agosto de 1994 Marcos Borga / Lusa

Partilhar