Bissau, 10 fev (Lusa) – Uma seleção de títulos da imprensa portuguesa começou esta semana a ser distribuída gratuitamente junto de diversas instituições e em locais públicos da capital da Guiné-Bissau, numa parceria de instituições portuguesas e guineenses.

A distribuição mensal é feita em escolas, universidades, órgãos de comunicação social e locais públicos, tais como as caixas-biblioteca da Praça dos Heróis Nacionais e da Praça Mão de Timba e o Centro Cultural Português, entre outros.

Na Guiné-Bissau não há distribuição de jornais ou revistas de outros países e os meios de comunicação enfrentam diversas dificuldades.

Por outro lado, a maioria da população fala crioulo, relegando para segundo plano a língua oficial, o português.

O projeto tem como objetivos “difundir a língua portuguesa, permitir o contacto físico com jornais e revistas de outro país além da Guiné-Bissau e poder dar novas referências sobre jornalismo e produtos de comunicação social”, referem os parceiros em comunicado.

O grupo Global Media foi o primeiro a aderir à iniciativa e oferece mensalmente algumas centenas de exemplares (jornais e revistas) do Jornal de Notícias, Diário de Notícias e O Jogo.

A empresa de transportes marítimos Portline Containers International contribui com o transporte por barco entre Lisboa e Bissau.

No terreno, a Embaixada de Portugal na Guiné-Bissau, a Cooperação Portuguesa, Agência Lusa e RTP dirigem o trabalho de recolha e entrega, em coordenação com a Direção-Geral da Cultura da Guiné-Bissau.

LFO // PJA- Lusa/fim
O nome "ardina" foi uma das razões para o guineense Carlitos Fafé, 28 anos, decidir vender jornais pelas ruas de Bissau, uma profissão que não existe há anos em Portugal, mas que na Guiné-Bissau continua a ter grande importância, 24 de outubro de 2007. LUSA

O nome “ardina” foi uma das razões para o guineense Carlitos Fafé, 28 anos, decidir vender jornais pelas ruas de Bissau, uma profissão que não existe há anos em Portugal, mas que na Guiné-Bissau continua a ter grande importância, 24 de outubro de 2007. LUSA

Partilhar