O diplomata, que falava na qualidade de coordenador do grupo dos Estados da CPLP,   sublinhou a influência do português nas culturas dos países da CPLP, tendo como exemplos patentes os crioulos falados em São Tomé e Príncipe, em Cabo Verde e na Guiné-Bissau.
“Hoje, o português é a língua oficial de todos os países da CPLP, falado por mais de 250 milhões de pessoas; é a quinta língua mais falada no Mundo, sendo o seu uso, nos fóruns internacionais, cada vez mais necessário, o que constitui, consequentemente, um desafio muito grande para o Grupo da CPLP na UNESCO”, disse Sita José, num acto em que estiveram presentes o embaixador de Angola em França, Miguel Costa, delegados permanentes junto da UNESCO, altos funcionários da UNESCO e membros da diáspora e das comunidades dos países da CPLP e outro público.
Eric Falt, subdirector-geral da UNESCO para as Relações Exteriores e Informação do Público, lembrou o papel da língua em todos aspectos da vida humana e do desenvolvimento, que vai da interacção social e compreensão mútua entre os povos, transferência de conhecimento, promoção do diálogo intercultural, até à função de instrumento essencial para a salvaguarda da liberdade de expressão.
Falando em representação do director-geral, Eric Falt expressou satisfação pela estreita colaboração existente entre a UNESCO e os países da CPLP, sublinhando a frutuosa ligação, em particular no estabelecimento em Lisboa do Centro Internacional para a Formação Avançada de Cientistas dos países da CPLP em Ciências Básicas, e no projecto-piloto nas áreas do desporto e educação como meio de ultrapassar a violência e a desigualdade social na Guiné-Bissau, sob a coordenação do Escritório da UNESCO em Brasília e a Agência Brasileira de Cooperação. Ler o artigo completo (Jornal de Angola)

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar