Em declarações aos jornalistas, Gabriel Tong Io Cheng, vice-diretor da faculdade de Direito da Universidade de Macau, explicou que dos cerca de 150 candidatos, “todos com excelentes notas”, foram escolhidos 33 que vão frequentar o primeiro ano do curso em Portugal para aprofundar conhecimentos em português e “fazerem” as primeiras cadeiras básicas do curso.

“Depois regressam a Macau para continuarem os estudos por mais quatro anos num programa onde terão de escolher, pelo menos, 40% das cadeiras em língua portuguesa”, explicou.

A conceção de um curso bilingue integra os esforços da administração de Macau na formação de quadros bilingues para a cidade, ou seja, que dominem as línguas portuguesa e chinesa, ambas oficiais em Macau.

A par do curso bilingue, a Universidade de Macau continua a facultar a frequência de um programa de Direito exclusivo em português e outro em língua chinesa.

JCS // APN – Lusa/fim

Fotos:

– O reitor da Universidade de Macau, Wei Zhao, discursa durante a sua cerimónia de doutoramento honoris causa organizada pela Academia das Ciências de Lisboa e o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas e realizada na Academia de Ciência em Lisboa, 20 de março de 2011. ANTONIO COTRIM/LUSA

– Macau aumentou hoje a sua área para cerca de 31 quilómetros quadrados ao passar a exercer jurisdição num terreno concedido pelo Governo chinês de um quilómetro quadrado na ilha da Montanha, a nova área estratégica da China. Neste terreno, atribuído por Pequim em 2009 e arrendado durante 40 anos pelo equivalente a 103, 2 milhões de euros, foi construído o novo campus da Universidade de Macau, 20 vezes maior do que o atual, na ilha da Taipa, e com capacidade para 10 mil alunos, que começará a receber estudantes em setembro. 20 de Julho de 2013, Macau.CARMO CORREIA/LUSA

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar