Murade Murargy, que falava na abertura da 2.ª Conferência Internacional sobre a Língua Portuguesa no Sistema Mundial, que decorre hoje e quarta-feira, em Lisboa, defendeu uma “reflexão conjunta sobre o espaço do ensino superior, ciência e tecnologia da CPLP”.

O responsável da CPLP levantou a possibilidade da “criação de um programa especial destinado à mobilidade de estudantes, docentes, investigadores e técnicos no espaço da comunidade”, salientando a “importância da circulação do conhecimento académico e científico e da colaboração em redes, e da implementação conjunta de projetos de cooperação”.

“Mantemos a prioridade de atuação futura na criação do espaço de ensino superior da CPLP”, intenção aprovada há cerca de dez anos, disse Murade Murargy.

“Os desafios são gigantescos. Para a concretização do objetivo estratégico de construir um espaço de ensino superior para a CPLP são chamadas as universidades dos Estados-membros”, sustentou.

O trabalho passa por promover a cooperação na avaliação da qualidade do ensino superior e na identificação de critérios e metodologias comparáveis, procurar a harmonização e concertação do desenvolvimento curricular, e realizar programas conjuntos de formação graduada e pós-graduada e de investigação.

Na sua intervenção, Murargy apelou ainda ao aprofundamento das relações económicas e empresariais entre os países da CPLP.

“Atualmente, as dimensões geopolítica e geoeconómica conferem à língua portuguesa um potencial cada vez maior no plano da correlação com outras línguas dominantes, por força dos indicadores de crescimento económico de alguns Estados-membros e pela forte atuação da concertação política e diplomática da CPLP no sistema internacional”, defendeu.

Recordando que o português é a sexta língua mais falada no Mundo, considerou que “o seu valor traduz-se efetivamente num crescente impacto no mundo dos negócios de projeção global”.

Os Estados-membros, acrescentou, “devem promover uma cooperação económica e empresarial entre si e valorizar as potencialidades existentes, conjugando iniciativas para a promoção do desenvolvimento dos povos da comunidade”.

Também na abertura, o presidente da comissão científica da conferência, Ivo José de Castro, lembrou o uso da língua na diáspora, nomeadamente entre as novas gerações, que devem preservar “a memória ativa da língua e da cultura de que são descendentes”, e de estrangeiros, que procuram aprender português para “ler Camões e Pessoa, mas também para fazerem negócios”.

Nesse sentido, o responsável defendeu que a CPLP deve estar preparada para oferecer “um ensino de qualidade”, propondo a criação de um sistema de “certificação internacional de competências linguísticas em português, único, uniforme e homogéneo”.

 

JH // VM – Lusa/Fim


Foto: O Secretário Executivo da CPLP, Murade Isaac Miguigy Murargy discursa na 2.ª Conferência sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial, que reúne, até dia 30 de outubro, especialistas e responsáveis políticos e institucionais provenientes de diversos países, na Aula Magna da Reitoria, em Lisboa, 29 de outubro de 2013. JOAO RELVAS / LUSA

RELACIONADAS