28 February 2021
Zona residencial nos arredores de Malabo, Guiné Equatorial, 11 de novembro de 2017. Há dez anos que o país tem como língua oficial portuguesa, uma decisão no papel semelhante à que Obiang tomou em 1998 quando decretou que o francês também era idioma do país, uma antiga colónia de Madrid onde só se ouve falar espanhol nas ruas. MÁRIO CRUZ/LUSA

CPLP prepara projeto de ensino de português na Guiné Equatorial

Praia, 13 jun (Lusa) – A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) vai implementar um projeto de ensino da língua portuguesa na Guiné Equatorial, para reforçar a sua integração na comunidade lusófona, disse hoje, na cidade da Praia, a secretaria executiva da organização.

“Estamos a preparar, neste momento, um projeto de ensino da língua portuguesa na Guiné Equatorial, que incida sobretudo nas novas gerações”, disse Maria do Carmo Silveira, citada pela agência cabo-verdiana de notícias Inforpress.

Maria do Carmo Silveira falava à comunicação social à margem de uma visita de cortesia ao primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva.

A responsável da CPLP adiantou que este será um dos assuntos em cima da mesa na cimeira dos chefes de Estado e de Governo da organização marcada para 17 e 18 de julho, na ilha do Sal.

Um projeto semelhante deverá ser implementado em Timor-Leste, revelou Maria do Carmo Silveira, adiantando que há um “pedido formal” do país para que a CPLP crie uma escola de formação de língua portuguesa.

“As dificuldades em matéria da língua portuguesa não se colocam somente à Guiné Equatorial, mas também a Timor-Leste. Por razões históricas, temos hoje uma camada, sobretudo juvenil, que não está familiarizada com a língua portuguesa” afirmou.

Cabo Verde assume na cimeira do Sal, por dois anos, a presidência rotativa da CPLP.

Maria do Carmo Silveira termina hoje uma visita de dois dias a Cabo Verde, no âmbito dos preparativos da referida cimeira.

CFF // JLG – Lusa/Fim

Também poderá gostar

Sem comentários