3 March 2021
O diretor-adjunto do Centro de Desenvolvimento da OCDE, Federico Bonaglia, afirmou hoje que a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) permite uma partilha de experiências e competências entre países africanos lusófonos.

CPLP permite partilha de competências entre países lusófonos

Bonaglia falava à Lusa por ocasião da apresentação, hoje em Lisboa, da edição portuguesa do relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) “Perspetivas económicas em África 2014: As cadeias de valor globais e a industrialização em África”.

“Este relatório permite ver o desempenho dos Países Africanos de Língua Portuguesa num contexto mais alargado e comparar o desempenho de um país como Angola ou Moçambique com a experiência de outros países exportadores de recursos naturais”, afirmou.

O responsável sublinhou que dois países lusófonos registam das mais elevadas taxas de crescimento para 2014-2015, Angola e Moçambique, com 8, 4%, e outros dois das mais baixas: Guiné-Bissau (2, 7%) e Cabo Verde (3, 2%).

Além de permitir a monitorização do desempenho dos países africanos, o relatório avalia a “partilha de experiências e entre os países africanos e outros como por exemplo o Brasil”, país exportador de petróleo, tal como Angola.

“A organização [CPLP] tem um papel muito importante a desempenhar na partilha de competências entre países”, lusófonos, disse.

Bonaglia destacou o Brasil que tem um papel muito ativo na agricultura africana e também na gestão dos recursos naturais, tendo um trabalho desenvolvido com muitos países africanos.

Sobre a integração da Guiné-Equatorial na CPLP e o impacto da adesão no desenvolvimento económico e social do país, o responsável da OCDE sublinhou que o “país pode participar num grupo de países experiente em termos de construção de instituições e de reforço das instituições democráticas”.

Por outro lado, a Guiné-Equatorial, que há dois anos registou um desempenho muito forte ligado à descoberta de petróleo e tem para 2014-15 uma das piores perspetivas do continente (menos 5, 2%), além de um importante nível de pobreza – de acordo com o Banco Mundial -, pode beneficiar “com as experiências na luta contra a pobreza do Brasil e de Moçambique” e aceder ao mercado da CPLP, concluiu.

A OCDE apresentou o relatório “Perspetivas Económicas em África 2014”, a 18 de maio, em Paris.

EJ // JMR – Lusa/Fim

Foto: Logótipo da OCDE, 25 de setembro de 2013. LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários