9 March 2021
O professor universitário Adriano Moreira apontou hoje a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a criação da plataforma continental como “as janelas de liberdade” que permitirão a Portugal ultrapassar a atual crise e afirmar-se internacionalmente.

CPLP e plataforma continental vão permitir a Portugal ultrapassar crise

“Portugal é com frequência um país exógeno, quer dizer, um país que sofre as consequências de decisões em que não participou, mas tem valores fundamentais que podem assegurar-lhe uma posição e intervenção responsável internacional, vencendo a crise que temos atravessado, designadamente através daquilo a que eu tenho chamado as janelas de liberdade portuguesas, que são, pelo menos, a CPLP e a plataforma continental”, defendeu.

Adriano Moreira falava à Lusa no final de uma aula aberta na Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, subordinada ao tema “Uma história de vida pelos Países de Língua Portuguesa – os laços existentes”, em que falou, de forma mais aprofundada, destas “janelas de liberdade portuguesas”.

Sobre a CPLP, o professor e analista político salientou que Portugal “é o único titular de um império dissolvido pelas armas que tem uma organização à qual pertencem todas as ex-colónias”, mas não escondeu que existem nessa organização “alguns problemas”, alguns obstáculos a superar, como é o caso da entrada da Guiné Equatorial, “um país que tem a pena de morte e que fala espanhol, não português”, e que interessa por causa do petróleo.

Referiu, a propósito, “a ideia do Brasil para a CPLP”, que inclui a adesão de “Indonésia, União Indiana, Ceilão e Nigéria”.

“Ora, isto é uma associação de petróleo, não é uma associação de língua portuguesa”, comentou.

Outro problema com que Portugal se confronta é “a insegurança do Atlântico-Sul – pirataria, tráfico de drogas” -, para o qual a solução deveria ser a criação de uma organização de segurança à semelhança da NATO.

“Mas, na minha visão, não se pode tratar de uma extensão da NATO, porque a cultura do Atlântico-Norte é toda ocidental e a do Atlântico-Sul não é”, frisou.

“Os países da CPLP são todos marítimos, são todos pobres e nenhum tem frota marítima. Porque é que não há uma frota da CPLP?”, interrogou-se.

Quanto à plataforma continental de Portugal, “que será uma das maiores do mundo”, o professor de Relações Internacionais indicou existirem igualmente obstáculos a ultrapassar, já que embora “a base seja de soberania portuguesa, ela tem de ser reconhecida pelas Nações Unidas”, um reconhecimento que tarda.

“Primeiro, era em 2013, depois passou para 2015, e agora foi adiado outra vez”, lamentou.

Outro dos obstáculos à criação da plataforma continental portuguesa foi, considerou, a atuação do então “presidente cessante da Comissão Europeia”, José Manuel Durão Barroso, que Adriano Moreira criticou, na altura, diretamente.

Por ocasião da atribuição a Durão Barroso de um doutoramento honoris causa na Universidade Técnica de Lisboa, o académico disse-lhe: “O senhor anda a querer fazer o mar europeu, já o propôs. Se o senhor faz o mar europeu antes de nós termos a plataforma portuguesa, eu começo a pensar em 1890, mapa cor-de-rosa e ultimato, e estou a ver a Estónia, a Letónia e a Lituânia a esfregar as mãos e a dizer ‘Ai, que bom, isso também é nosso’”.

Apesar das dificuldades existentes, se se apostar na CPLP e na plataforma continental e se for “ultrapassada esta crise que estamos a atravessar, eu acho que vai reservar a Portugal uma importância que resulta desta circunstância em que insisto: é que o poder da palavra muitas vezes vence a palavra do poder”, disse Adriano Moreira à Lusa.

“E, portanto, nós podemos utilizar o progresso científico e técnico e a nossa capacidade para que a nossa palavra seja ouvida e para que a vida previsível, a vida vivível, feliz, com esperança, possa ser restabelecida”, concluiu.

 

ANC // APN – Lusa/fim

Foto:

– Emocionado e despreocupado com eventuais polémicas, o académico português Adriano Moreira recebeu no Mindelo o grau de doutoramento Honoris Causa, o primeiro atribuído por uma universidade de Cabo Verde em dez anos de ensino superior no arquipélago, Mindelo, Cabo Verde, 10 de dezembro de 2011. MARGUEIRITO MELO/LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários