Santa Maria, Cabo Verde, 17 jul (Lusa) – O Presidente da República de São Tomé e Príncipe, Evaristo Carvalho, considerou hoje urgente que a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) se aproxime dos cidadãos e se torne capaz de lhes possibilitar a melhoria dos seus padrões de vida.

“É urgente que a CPLP se aproxime mais dos seus cidadãos porque estes acalentam uma organização que não se preocupe apenas com a concertação diplomática entre os seus membros em matéria de relações internacionais, mas sim uma organização capaz de proporcionar aos seus membros a elevação dos seus padrões de vida”, sustentou.

Evaristo Carvalho assinalou os progressos alcançados pelo seu país em matéria de facilitação da mobilidade, nomeadamente a isenção de vistos por 15 dias aos cidadãos da CPLP e a atribuição de nacionalidade a todos os cidadãos da CPLP que se encontravam no país à data da independência do país.

Reafirmou, por isso, todo o compromisso de São Tomé e Príncipe para a discussão de todas as iniciativas no domínio da mobilidade.

Evaristo Carvalho sublinhou ainda a necessidade de “aprofundar o espírito norteador” na base da criação da CPLP.

“Os desafios atuais colocados aos nossos povos e países, perante um contexto internacional complexo, obrigam a que aprofundemos o espírito norteador que esteve na base da criação da nossa organização como garante da cultura de soluções pacíficas duradouras para os estados membros”, disse.

Por isso, sustentou, a cimeira do Sal, é “uma ocasião soberana” para, em conjunto, “continuar a reflexão tendo em vista o reforço do papel da organização, tornando-a mais congregadora, mais aberta e mais acutilante nas suas atuações a nível internacional”.

O chefe de Estado sãotomense deu ainda conta da “calmaria política” registada nos últimos dias no país, após a recomposição do Supremo Tribunal de Justiça, sublinhou o consenso alcançado para a marcação de eleições em outubro e pediu o envio de observadores da CPLP “como forma de conferir maior credibilidade ao escrutínio”.

Os chefes de Estado de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe estiveram reunidos hoje, na ilha do Sal, no primeiro de dois dias da cimeira da CPLP, que marca o início da presidência cabo-verdiana da organização.

Timor-Leste esteve representado na cimeira pelo ministro dos Negócios Estrangeiros.

Cabo Verde assumiu hoje, por dois anos, a presidência rotativa da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

CFF // PJA

Lusa/Fim

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar