26 February 2021
O Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) vai prestar “atenção muito especial” para promover uma “integração efetiva” do português na Guiné Equatorial, anunciou hoje a nova diretora-executiva daquele organismo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

CPLP ajudará Guiné Equatorial a fazer “integração efetiva” do português

A Guiné Equatorial aderiu à CPLP em julho deste ano, durante a cimeira de Díli, sendo uma das condições a adoção do português como língua oficial, num país que é maioritariamente falante de espanhol e que também tem o francês como língua oficial.

“A Guiné Equatorial vai ter uma atenção muito especial. Temos um protocolo extremamente denso em termos de áreas em que teremos de ajudar a Guiné Equatorial, não só ao nível do ensino da língua, da formação de professores, mas também da perspetiva de inclusão de programas em língua portuguesa nos canais televisivos e radiofónicos e a formação em língua portuguesa dos agentes da administração pública”, afirmou hoje aos jornalistas a nova diretora-executiva do IILP, Marisa Mendonça.

A responsável alertou que se trata de um “protocolo imenso”, que nenhum país poderá cumprir sozinho.

“É preciso desenharmos uma estratégia de intervenção na Guiné Equatorial, de modo a que os esforços sejam traduzidos numa integração efetiva – e sublinho, efetiva – da língua portuguesa na Guiné Equatorial”, defendeu a nova diretora deste organismo da CPLP, no final de uma reunião do comité de concertação permanente da comunidade lusófona, durante a qual apresentou o seu programa e tomou posse no cargo.

Da parte das autoridades equato-guineenses, há interesse na adoção do português, tendo já disponibilizado “toda a sua boa vontade e alguns recursos – que não serão poucos, logicamente” e a intenção de criarem centros de língua portuguesa no país.

Marisa Mendonça reconheceu no entanto que o processo será longo.

“Não é um processo rápido. É uma língua que está a entrar para um contexto em que outras línguas já assumiram o seu espaço”, sustentou, referindo que este é um “grande desafio” que deve ser assumido por todos os membros da CPLP.

Marisa Mendonça, de Moçambique, foi hoje empossada diretora-executiva do IILP, durante uma reunião extraordinária do comité de concertação permanente da CPLP, na sua sede, em Lisboa. Sucede ao brasileiro Gilvan Müller de Oliveira, que assumiu este cargo durante quatro anos.

JH // APN – Lusa/fim

Fotos:

O presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang passa junto de um painel com bandeiras dos países da CPLP, no final da cerimónia de abertura da X Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), onde foi chamado para a tribuna junto dos restantes estados-membros, em Díli, Timor Leste, 23 de julho de 2014. PAULO NOVAIS/LUSA

– O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, com o Primeiro-Ministro de Timor-Leste, Xanana Gusmão Díli, Timor Leste, 23 de julho de 2014. PAULO NOVAIS/LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários