6 March 2021
Conferência de Impresnsa da XXXI Reunião dos Pontos Focais de Cooperação da CPLP - Díli, 21 de julho de 2015
Manuel Lapão, Diretor de Cooperação da CPLP.

Cooperação na CPLP dificultada por falta de recursos financeiros

Lisboa, 24 out (Lusa) – A falta de recursos financeiros dificulta a concretização dos projetos de cooperação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a organização mantém-se empenhada em diversificar as fontes de financiamento, disse à Lusa um responsável.

Os Estados-membros da CPLP realizam, esta quarta e quinta-feira, em Brasília, a XXXIII reunião dos pontos focais de cooperação, dias antes da XI cimeira da comunidade lusófona.

No encontro, os países vão debater os próximos projetos, adiantou à Lusa o diretor de cooperação da CPLP, Manuel Lapão.

“O momento atual é de alguma contenção dos Estados quanto à apresentação de novas iniciativas, porque os compromissos financeiros são difíceis de concretizar”, explicou o responsável.

Segundo Manuel Lapão, “continua a ser um objetivo procurar fontes alternativas de financiamento, de origem privada e estabelecendo parcerias com agências internacionais que dispõem de mais recursos que a CPLP”.

O responsável ressalvou que este plano está dependente da aprovação, na cimeira de Brasília, da nova visão estratégica da organização, que indicará o rumo da CPLP na próxima década.

Na reunião desta semana, os países vão discutir a aprovação de três novas propostas: a oitava fase do projeto de capacitação dos laboratórios de engenharia da CPLP; a segunda fase do SKAN CPLP, um mecanismo de partilha no setor agroalimentar; e a segunda semana da juventude da CPLP.

A reunião permitirá também fazer um ponto de situação sobre o trabalho realizado no âmbito do Ano da CPLP contra o Trabalho Infantil, que se assinala ao longo de 2016, além de permitir rever as ações realizadas sobre a segurança alimentar e nutrição, a campanha “Juntos contra a Fome”, a energia, a governação eletrónica e telecomunicações.

A encerrar a reunião dos pontos focais, haverá uma palestra de um responsável do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, que apresentará a experiência brasileira sobre a implementação da Agenda de Desenvolvimento Sustentável para 2030, definida pelas Nações Unidas.

Um dos objetivos é que, na reunião dos pontos focais seguinte, que decorrerá em fevereiro de 2017 em Lisboa, os Estados-membros possam refletir sobre formas de monitorização da aplicação, nos contextos nacionais, dos objetivos da chamada agenda 2030.

Nesta área, Manuel Lapão considerou que Portugal e Brasil, que têm “maior capacidade e recursos nestas estratégias”, podem colocar-se à disposição dos restantes países para colaborar neste trabalho.

Na reunião será ainda discutida uma nova matéria: a realização do primeiro congresso das organizações sociais da CPLP, proposta pelo Brasil, a realizar no primeiro semestre do próximo ano.

A XI conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP decorre em Brasília, nos dias 31 de outubro e 01 de novembro, marcando o início da presidência brasileira da organização.

JH // VM

Lusa/Fim

Também poderá gostar

Sem comentários

ARTIGOS POPULARES