SONIA NABARRETE | 18 SETEMBRO 2017

A China, principal parceiro comercial do Brasil, é hoje o país onde mais se aprende português. A língua é ensinada em 28 universidades e o número de instituições que ensinam o idioma tende a aumentar. A avaliação é do linguista português João Malaca Casteleiro, que trabalhou cinco anos como examinador externo no Instituto Politécnico de Macau. O especialista vê a China como agente da globalização do português, que hoje é falado em quatro continentes, sendo o quarto idioma mais falado no mundo, em termos absolutos, e o terceiro, em ambientes de negócios relacionados a óleo e gás, além de ser a língua oficial de oito países. O domínio do português representa uma vantagem para quem quer negociar com esses países, onde se destaca o Brasil.

Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), a China é o maior parceiro comercial brasileiro desde 2009. No ano passado, o intercâmbio entre os dois países totalizou US$ 58,49 bilhões. O Brasil exportou US$ 25,13 bilhões com um superávit de US$ 11,76 bilhões. As exportações brasileiras para o mercado chinês estão concentradas em proteína animal, grãos, minérios de ferro, polpa e celulose. Já as importações estão focadas em produtos de alta tecnologia, como máquinas e materiais elétricos e mecânicos, além de produtos químicos orgânicos.

Educação
Marcos Caramuru, embaixador brasileiro na China, aposta no crescimento de negócios com esse país, que tem mais de 1,3 bilhão de habitantes e uma demanda cada vez maior por produtos brasileiros em função do aumento da renda per capita da população. Nos primeiros quatro meses deste ano, a China foi responsável por mais de 40% do superávit comercial brasileiro. Houve aumento no volume e também nos preços de commodities agrícolas e minerais. Ler o artigo completo.

Partilhar