Um novo relatório global de monitoramento da educação (GEM Report)* declara que 40% da população mundial não têm acesso à educação em uma língua que eles entendem. O documento técnico de políticas públicas “If you don’t understand, how can you learn?” (Se você não entende, como pode aprender?), lançado na ocasião do Dia Internacional da Língua Materna (21/02), argumenta que ensinar crianças em outra língua pode impactar negativamente em seu aprendizado, especialmente aquelas que vivem em situação de pobreza.

A diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, destacou o princípio básico da aprendizagem das crianças na língua materna. “Com a nova agenda de educação global, que prioriza qualidade, igualdade e aprendizagem ao longo da vida para todos, é essencial estimular o respeito pleno pelo uso da língua materna no ensino e na aprendizagem, assim como promover a diversidade linguística. A aplicação de políticas linguísticas inclusivas ajudará a melhorar os resultados de aprendizagem, e também contribuirá para a tolerância, a coesão social e, consequentemente, para a paz”.

Escola, Díli. Timor-LesteA aprendizagem melhora em países que investem em programas bilíngues. Na Guatemala, os estudantes de escolas bilíngues apresentam menores taxas de repetência e abandono. Eles também apresentam notas mais altas em todas as matérias. Na Etiópia, crianças que participaram de programas bilíngues por oito anos, melhoraram a aprendizagem em todo o currículo.

O banco de dados sobre desigualdade mundial na educação, o World Inequality Database on Education (WIDE) do Relatório GEM da UNESCO mostra os resultados de aprendizagem nos países, dependendo do idioma de avaliação. Ler o artigo completo (UNESCO)

close
Subscreva as nossas informações
Partilhar