Recebi ontem (17/07/2021) o meu primeiro exemplar da Carta do Achamento do Brasil de Pêro Vaz de Caminha a D. Manuel I, que a editora Guerra e Paz publicou em versão moderna. O editor pediu-me um prefácio e o livrinho está por aí a circular e, a julgar pelas reações, parece não faltar quem esteja a ler pela primeira vez esse precioso, bem moderno documento, capaz de incomodar um bocado as teorias do politicamente correto sobre os portugueses nos descobrimentos. A carta lia-se sem grandes dificuldades na versão original, mas em português moderno a facilidade de leitura é bem maior.

É um texto curto (33 páginas); a minha introdução é que quase lhe chega em tamanho (28 pp).

Chamo-lhe “a carta de deslumbramento com o Brasil” e atrevo-me a afirmações deste teor:

“A carta de Caminha é algo inteiramente novo e, repita-se, um documento único na história da humanidade. Estou consciente de que me restrinjo à “humanidade europeia” (e especificamente ocidental), mas na minha vasta ignorância não tenho notícia de nada que se lhe assemelhe. Nem Marco Polo revela tal candura perante o inesperado, o maravilhoso descoberto, mesmo se planeado (e a isso já iremos mais adiante).

A narrativa de Pêro Vaz de Caminha – confesso que prefiro não entrar em pormenores sobre ela para que o leitor a descubra virgem, e a aprecie por si próprio pois ela dispensa glosas – basta lê-la atentamente para nos darmos conta da abertura de horizontes dos recém-chegados a um universo novo, inteiramente inesperado. Vemo-los fascinados perante a natureza e a beleza de um povo que os deslumbra. Tudo surge descrito numa linguagem gostosa, ditada por um olhar eivado de quase ingénua inocência.”

Em resposta a uma simpática recensão do Carlos Fiolhais no seu blogue De Rerum Natura, enviei-lhe uma interpretação da famosa carta bem mais interessante que a minha. É de um dos mais divertidos programas televisivos em língua portuguesa, o brasileiro “Porta dos Fundos”. Do calibre do Ricardo Araújo Pereira.

O Carlos Fiolhais gostou e postou-o no seu blogue.

Vai aqui. Divirtam-se:

close
Subscreva as nossas informações
The following two tabs change content below.

Onésimo Teotónio Almeida

Onésimo Teotónio Pereira de Almeida - Natural de S. Miguel, Açores, é doutorado em Filosofia pela Brown University em Providemce, Rhode Island (EUA). Nessa mesma universidade é Professor Catedrático no Departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros, bem como no Center for the Study of the Early Modern World e no Wayland Collegium for Liberal Learning. Autor de dezenas de livros. Alguns dos mais recentes: Despenteando Parágrafos, A Obsessão da Portugalidade, e O Século dos Prodígios. A ciência no Portugal da Expansão, na área do ensaio. Em escrita criativa: Livro-me do Desassossego, Aventuras de um Nabogador e Quando os Bobos Uivam. Co-dirige as revistas Gávea-Brown, Pessoa Plural e e-Journal of Portuguese History bem como a uma série de livros sobre temática lusófona na Sussex Academic Press, no Reino Unido. É membro da Academia da Marinha, da Academia das Ciências e doutor Honoris Causa pela Universidade de Aveiro.

últimos artigos de Onésimo Teotónio Almeida (ver todos)

Partilhar