Praia, 18 nov (Lusa) – O Ministério da Cultura de Cabo Verde apresentou hoje, na cidade da Praia, a Rede Nacional de Salas com o objetivo de facilitar a circulação e divulgação da cultura em Cabo Verde.

A rede, que surgiu em regime experimental em 2012, é composta por 31 salas de espetáculos, de exposições, de cinema, além de centros culturais e cineclubes geridos por municípios, paróquias e grupos culturais.

Existe ainda um circuito constituído por hotéis, clubes, bares e restaurantes.

“A Rede Nacional de Salas (RNSalas) aspira juntar sinergias dos agentes culturais para que contribuam para o desenvolvimento e divulgação da cultura cabo-verdiana”, explicou Pedro Moeda, gestor da rede, durante a apresentação de hoje na Praia.

Para este responsável, a rede “nada mais é que a associação de várias infraestruturas, já existentes, que permite a circulação e, consequentemente, a divulgação dos vários bens culturais de Cabo Verde, que vão desde do teatro, ao cinema, audiovisual, passando pela dança e música, às artes plásticas, ao artesanato e à literatura”.

Para já é formada por três dezenas de espaços espalhados por todos os concelhos do país, mas Pedro Moeda adianta que se trata de um “processo contínuo de acolhimento de mais espaços”.

A rede inclui duas salas em cada uma das ilhas de Santo Antão, São Vicente, São Nicolau, Boavista e Maio.

As ilhas do Sal e do Fogo têm inscritas três salas cada uma, enquanto na ilha de Santiago estão inscritos 14 espaços.

Na ilha Brava, existe um espaço inscrito.

Algumas destas salas estão sob gestão pública, tais com câmaras municipais, Ministério da Cultura e, outras são salas de espetáculo de gestão privada.

Estão ainda inscritos na rede 48 artistas na área musical, cinco no teatro e na dança, seis no artesanato, cinco na área das artes plásticas e um nas artes circenses.

No âmbito desta iniciativa será ainda criada a Plataforma Digital da RNSalas, com presença na rede social Facebook e no portal da Internet Google, estando a ser programada a criação de uma página na Internet para a rede, que funcionará, temporariamente, na do Ministério da Cultura, adiantou o mesmo responsável.

Na plataforma será possível consultar a lista de salas, a lista de bens culturais que integram a rede e a agenda cultural das salas.

CFF // EL – Lusa/Fim
Partilhar