7 March 2021
Fábrica de transformação de bacalhau no Montijo, 18 de dezembro de 2015. ANDRÉ KOSTERS / LUSA

Bacalhau e polvo ainda são a tradição, mas há quem prefira capão e litão

Há terras que mantêm tradições próprias, “muito localizadas”, como o capão em Freamunde, o litão (um peixe da família do tubarão) em Olhão, o borrego no ribatejo e as sandes de carne em vinha de alhos na Madeira.

O bacalhau e o polvo continuam a ser os principais pratos do Natal em Portugal, como confirmaram alguns “chefs”, apesar de algumas localidades manterem tradições diferentes, como Freamunde com o capão ou Olhão com o litão.

Virgílio Nogueiro Gomes, investigador em história da Alimentação, considera que, “de um modo geral, têm-se mantido as tradições” gastronómicas no Natal.

“A ‘mensagem de Natal’ é que tem mudado muito. Por outro lado, tem aumentado o número de refeições de Natal servidas em restaurantes, devido à vida agitada, porque todo o grupo familiar tem atividades profissionais”, afirmou, salientando que se está a perder “o próprio conceito de festa de família”. Ler o artigo completo.

O litão é o prato principal da Consoada das famílias de Olhão (clique para ver mais imagens)

O litão é um pequeno tubarão, que depois de pescado é escalado, salgado e colocado a secar ao sol em armações feitas de cana, Olhão, 15 de dezembro de 2015. As famílias de Olhão, no distrito de Faro, continuam a dar preferência, como prato principal na Noite de Natal, ao litão seco, um pequeno tubarão ou pequeno cação que se pesca no Mediterrâneo e no Atlântico oriental. LUÍS FORRA/LUSA

O litão é um pequeno tubarão, que depois de pescado é escalado, salgado e colocado a secar ao sol em armações feitas de cana, Olhão, 15 de dezembro de 2015. As famílias de Olhão, no distrito de Faro, continuam a dar preferência, como prato principal na Noite de Natal, ao litão seco, um pequeno tubarão ou pequeno cação que se pesca no Mediterrâneo e no Atlântico oriental. LUÍS FORRA/LUSA

Clique na imagem para ver mais imagens

Fábrica de transformação de bacalhau no Montijo, 18 de dezembro de 2015. Os consumidores preferem o bacalhau pronto a cozinhar, já demolhado e congelado, ao tradicional, demonstram as vendas da Ribeiralves, líder de mercado, cujas vendas do primeiro representam pela primeira vez 52% do seu volume de negócios. ANDRÉ KOSTERS / LUSA

Fábrica de transformação de bacalhau no Montijo, 18 de dezembro de 2015. Os consumidores preferem o bacalhau pronto a cozinhar, já demolhado e congelado, ao tradicional, demonstram as vendas da Ribeiralves, líder de mercado, cujas vendas do primeiro representam pela primeira vez 52% do seu volume de negócios. ANDRÉ KOSTERS / LUSA

Também poderá gostar

Sem comentários