Author name: Vera Duarte

Vera Valentina Benrós de Melo Duarte Lobo de Pina nasceu em Mindelo, S. Vicente, Cabo Verde. É Juíza Desembargadora, poeta e escritora, formada em Direito pela Universidade Clássica de Lisboa. Membro das Academias Cabo-verdiana de Letras, de Ciências de Lisboa, Gloriense de Letras. Foi Ministra de Educação Ensino Superior, Presidente Comissão Nacional Direitos Humanos e Cidadania, Conselheira do Presidente da República e Juíza Conselheira do Supremo Tribunal de Justiça. Integrou organizações como Centro Norte-Sul Conselho d`Europa, Comissão Internacional Juristas, Comissão Africana Direitos do Homem e Povos, Associação Mulheres Juristas e Federação Internacional de Mulheres de Carreira Jurídica. Recebeu várias condecorações É poeta e autora de vários romances.

Avatar photo

São Vicente, cidade talássica

O Porto Grande de São Vicente foi o berço incontestável de uma aventura magnífica que  deu notoriedade a estas dez pequenas ilhas espalhadas pelo Atlântico. Elevada à categoria de vila e sede de concelho por alvará régio de 23 de Agosto de 1774,  São Vicente ficou à espera de descobrir a sua vocação de porto

São Vicente, cidade talássica Ler mais »

São Nicolau ilha pater 

O fascínio mais conhecido vem-lhe de ser o berço da intelectualidade cabo-verdiana. Mas  o verdadeiro fascínio reside no anoitecer sereno na vila da Ribeira Brava, a famosa  stantcha* cercada pelas montanhas que lhe dão um ar misterioso de cidadezinha medieval. Já foi uma ilha verde e nos seus portos também ancoraram navios piratas em busca

São Nicolau ilha pater  Ler mais »

Santo Antão, terra mater 

A viagem de São Vicente para Santo Antão durava horas, com o mar fustigando de forma inclemente a frágil embarcação que se dava pelo nome de Gavião dos Mares. Mas só  quando fundeávamos ao largo do Paul, é que se via que a viagem, afinal, tinha sido boa. Tudo porque nos aguardava o espetáculo mais

Santo Antão, terra mater  Ler mais »

Santiago, casa transitiva

A primeira ilha, a ilha que abriga a cidade do mais antigo nome, a Cidade Velha, berço  da nacionalidade. Foi pensando nela que António Nunes nos ofereceu um dos mais belos  poemas do nosso património cultural: “Sonho que um dia estas leiras de terras quer sejam  Mato Engenho Dacabalaio ou Santana filhos do nosso esforço

Santiago, casa transitiva Ler mais »

Scroll to Top